A Supertaça de futebol feminino vai ter dérbi na sua 7ª edição e teve a sua antevisão

A Supertaça de futebol feminino está aí à porta e os bilhetes para a grande final foram adquiridos por Sporting e Benfica. No novo formato da competição, as leoas eliminaram o Famalicão (3-0), no passado dia 10, resultado idêntico conseguido pelas águias, que deixaram pelo caminho o SC Braga.

Dessa forma, o duelo decisivo da 7.ª edição desta competição voltará a colocar frente a frente os dois eternos rivais, repetindo-se a final da temporada passada. Nessa altura, a 28 de agosto de 2021, no Estádio do Restelo, levou a melhor o Sporting, que venceu por 2-0 (golos de Brenda Pérez e Joana Marchão).

Agora, e na antecâmara de mais um dérbi eterno, Mariana Cabral e Filipa Patão, treinadoras de Sporting e Benfica, respetivamente, projetaram a disputa de mais um título com um discurso semelhante. Na conferência de Imprensa conjunta realizada ao final da tarde desta quinta-feira, no Estádio Dr. Magalhães Pessoa, em Leiria – palco do jogo desta sexta-feira (20.30 horas) -, as técnicas de ambos os clubes explicaram por que razão o troféu pode cair para o seu lado. 

«Numa final nunca há favoritos, é só um jogo e tudo pode acontecer. Temos um coletivo que evolui e que aumenta a sua qualidade porque cada uma das jogadores dá tudo o que tem. Penso que temos todas as armas para voltarmos a conquistar a Supertaça. Acima de tudo, julgo que o mais importante é a estabilidade emocional, o foco no que podemos controlar e o acreditar muito em nós», analisou Mariana Cabral.

«Procuramos ser sempre uma equipa compacta e coesa em todos os momentos do jogo, mas dando sempre alguma liberdade criativa às jogadoras. Vamos continuar no mesmo processo. A nossa ideologia é que as jogadoras, individualmente, possam dar um bom cunho ao coletivo. Um espetáculo entre Benfica e Sporting beneficia o futebol e é para isso que todas nós cá estamos, para proporcionarmos um grande espetáculo e atrairmos cada vez mais gente aos estádios», rematou Filipa Patão.

A partida está agendada para o Estádio Dr. Magalhães Pessoa, em Leiria, recinto que, esta quinta-feira, já foi palco do primeiro embate entre leoas e águias… mas verbal. Porque foi já no reduto leiriense que decorreu a conferência de Imprensa de antevisão ao dérbi, com a presença, em simultâneo, de Ana Borges e Sílvia Rebelo, capitãs de Sporting e Benfica, respetivamente – Mariana Cabral e Filipa Patão, treinadoras de verde e brancas e encarnadas, também fizeram análise conjunta.

Na ocasião, Ana Borges e Sílvia Rebelo alinharam pelo mesmo diapasão, destacando a grandiosidade de um sempre escaldante Sporting – Benfica, duelo que pode ser decidido «nos detalhes».

«É um dérbi, mas, acima de tudo, é uma final. O que poderá fazer a diferença são os detalhes. Sabemos o que vale o Benfica, mas temos de focar-nos em nós. Não é só mais um jogo. Afinal, não temos segunda oportunidade. Queremos proporcionar um grande espetáculo, continuar a contribuir para o constante crescimento do futebol feminino em Portugal, mas também queremos ganhar e dar uma grande alegria aos nossos adeptos», destacou Ana Borges.

«As equipas conhecem-se muito bem e a decisão poderá ser, efetivamente, nos detalhes. Quem entrar melhor e tiver capacidade para fazer o seu jogo, será a equipa que vencerá o troféu. O Sporting é uma grande equipa no seu todo, mas a linha avançada pode criar muitas dificuldades a qualquer linha defensiva. Mas nós entramos sempre muito motivadas para todos os jogos, cientes de que temos de respeitar a camisola que vestimos», sublinhou Sílvia Rebelo.

A finalizar, mais uma pergunta para as duas internacionais portuguesas, sobre a maior virtude de cada uma vista… pela outra. «A Sílvia é uma jogadora muito experiente. Eu posso ter velocidade, mas ela sabe onde se posicionar. Talvez a melhor solução seja fazê-la rir, não sei… [risos]», assumiu a jogadora leonina. Que levou troco da benfiquista: «A Ana Borges é muito rápida e talvez eu tenha de recorrer à falta», retorquiu, também para gargalhada geral, a defesa-central encarnada.

O espírito de fair-play continua no auge. Esta sexta-feira, apenas uma poderá levantar o troféu relativo à Supertaça. Mas uma coisa é certa: tanto Ana Borges como Sílvia Rebelo continuarão a transportar sempre esta energia positiva que tanto tem contribuído para o crescimento do futebol feminino em Portugal. Bravo!

Este será, recorde-se, um jogo de… desempate. Sporting e Benfica já se encontraram por 11 vezes (em todas as competições), com cinco vitórias para cada lado e um empate. E amanhã, como vai ser? Quem vai desempatar e sair a sorrir?

Leave a Reply