Glórias do Benfica reagem ao falecimento do “Pequeno Genial”

Simão Sabrosa, diretor das Relações Internacionais do Benfica, já reagiu à morte de Fernando Chalana.

«É um dia triste, guardaremos para sempre as melhores memórias de Chalana. Os mais novos que não o viram jogar que procurem vídeo para verem», realçou, em declarações à BTV.

Com a voz embargada, Toni, que ainda partilhou o balneário com Chalana, não conseguiu esconder a consternação pela morte do Pequeno Genial. 

«As minhas primeiras palavras vão para a família, a mulher Cristina e a filha Marina, e partilhar com elas esta dor profunda e estender a toda a família benfiquista. Hoje perdemos uma das figuras marcantes da história do futebol do Benfica. Ele foi um dos jogadores mais talentosos que vestiram o manto sagrado, é um dia de profunda tristeza. É um bocado de mim que parte, tinha uma diferença de doze anos do Chalana, mas ainda partilhei o balneário com ele e fomentámos uma bonita amizade. Sabendo da uma doença degenerativa que ele tina, era uma notícia que mais dia menos dia ia chegar, mas é uma tremenda tristeza», disse o treinador, em declarações à BTV.

Diamantino, em declarações à BTV: “Infelizmente os amigos mais próximos sabiam do seu estado há alguns anos. Não deixo de estar tristíssimo, ele era mais velho do que eu seis meses, andámos na escola juntos no Barreiro, a nossa amizade vem daí. Falar de Chalana agora é a coisa mais fácil do mundo: é dizer que é um dia muito triste para o Benfica e para o país em geral, mas principalmente dar os pêsames à família, que eu também conhecia. Falar do Chalana é quase como falar do Eusébio. Para mim, com todo o respeito por toda a gente que jogou no Benfica, a seguir ao Eusénio o Chalana foi o maior símbolo do clube. Foram jogadores como Eusébio e Chalana que fizeram do Benfica o grande colosso que hoje é em termos desportivos.” 

Bernardo Silva: “Um grande amigo que guardarei para sempre no meu coração!”

Fernando Santos, o selecionador nacional, deixou no site da federação uma mensagem de condolências pelo falecimento de Fernando Chalana. “Foi um enorme prazer vê-lo jogar, foi um dos maiores jogadores portugueses de sempre. Foi um enorme orgulho defrontá-lo, um dos jogadores que mais dificuldades me criou em campo. Era sempre uma alegria enorme jogar contra ele. A nossa grande amizade refletiu-se também quando foi meu colaborador no Benfica. Recordo-o com muita saudade. Que descanse em paz, eu vou lutar para que a sua alma descanse em paz. Ele bem o merece. Um abraço forte, amigo Chalana.”

Bruno Basto, à BTV: “Em primeiro lugar dar as condolências à família. É uma perda enorme para o clube, para a instituição, para todos os benfiquistas e para quem ama o futebol. O Chalana é um ídolo de muitos portugueses e antigos jogadores, que tinham um carinho muito especial por ele. Tive o privilégio de o ter como treinador nos juniores, ele como adjunto, e mesmo sem jogar à bola há muitos anos nos treinos ele fazia tudo de uma forma tão fácil… aprendíamos tanta coisa com ele nas ‘peladinhas’ em que fazia ‘gato e sapato’ de nós mesmo com menos 20 anos do que ele. É isso que quero guardar dele. Infelizmente, os últimos anos de vida dele não foram assim tão simpáticos com muita pena minha mas a vida é mesmo assim. Espero que todas as pessoas o guardem na memória com o mesmo carinho que eu pois foi um ídolo da juventude de muitos portugueses. Também joguei num clube onde ele não foi tão feliz profissionalmente, o Bordéus. Tínhamos muita coisa em comum, fizemos muitas deslocações em conjunto a Bordéus e explicou-me o que é viver no estrangeiro quando eu emigrei com 22 anos. Tinha um carinho muito especial por ele.”

César Peixoto: “O Homem morre, mas o Génio será eterno. Obrigado por tudo o que deste ao nosso Futebol, Lenda.”

Tahar: “Fernando Chalana, o nosso Pequeno Genial jogador de Benfica e da seleção portuguesa , faleceu aos 63 anos, na madrugada desta quarta-feira, 10 de agosto. Muito Obrigado Mister.”

Paulo Madeira, antigo jogador do Benfica, em declarações à BTV: “É um dia triste. Desde já envio as condolências à família, à família benfiquista e a todos os portugueses. O Fernando Chalana era um génio, uma pessoa por quem toda a gente no futebol português tinha um carinho muito especial. Pela forma e alegria como jogava, a facilidade que para ele era o futebol. É um dia muito triste… para quem jogou com ele, fiz a minha primeira época de sénior com ele, quando subi aos seniores com o Paulo Sousa, apanhámos o Chalana já numa fase a descer na carreira. Era uma pessoa muito especial, um jogador fantástico e todos os portugueses vão sentir muito a sua falta.”

“Eu e o Paulo Sousa eramos miúdos na altura e para o Chalana o futebol era muito fácil. Muitas vezes, quando estávamos atrapalhados ou a sentir mais a pressão do adversário, a gente dizia que a solução era passar a bola ao Chalana que ele de forma simples e suave saía de situações complicadas de uma forma fantástica. É um jogador que marcou o futebol português e é unânime, toda a gente tinha um grande carinho por ele independentemente do clube.”

Abel Xavier, em declarações à BTV: “É um dia triste, antes de mais quero enviar os meus profundos sentimentos à família. É um dia trágico para todos nós e para a nação benfiquista. Tive uma partilha muito boa com o Chalana, porque quando era jovem admirava-o muito como jogador. Estava no Estrela da Amadora e via-o como uma referência. Vi-o como uma figura paternal, recordo-me de quando ele entrou, carismático, com grande profissionalismo. Uma pessoa excelente, muito humana, é com profundo pesar que o vejo partir e quero reforçar os meus sentimentos à família. Quero agradecer o que ele foi para mim, como referência e pelos exemplos que me passou.”

Paulo Futre: “O meu grande idolo Fernando Chalana faleceu hoje. O pequeno grande genio. Sempre sera a minha maior referencia e inspiração. Os meus mais sinceros pêsames para a familia. Até sempre Mito.”

Pepa: “Fernando, Chalas, Chalanix ou simplesmente a pessoa que mais me marcou durante as duas passagens pelo @slbenfica

Quando era um miúdo da formação, com apenas 13 anos, foi como o meu segundo pai. Depois, como treinador na formação, onde éramos colegas, construímos uma amizade forte e estávamos sempre muito próximos.

Para todos os seus amigos, colegas e companheiros um sentido abraço de força.

Para a família, que tive o privilégio de conhecer e partilhar bonitos momentos, um abraço ainda mais forte e sentido.

Até sempre, meu querido Chalas!”

Bastos Lopes, antigo jogador do Benfica, em declarações à BTV: “É um dia triste porque vi partir um amigo com quem partilhei desde muito cedo o balneário e o campo. É um grande amigo que parte, além de um dos melhores jogadores do mundo que vi atuar e com o qual tive o prazer de conviver. É uma notícia triste. Para quem não conhece o Chalana devia tentar perceber que partiu um grande génio e um grande ser humano. Foi com grande tristeza que hoje recebi esta notícia.”

José Augusto emocionou-se ao recordar Chalana em declarações à BTV: “O Chalanix, como lhe chamávamos aqui no Barreiro… Estou comovido. Fui eu que o indiquei ao Benfica, ele jogava no Barreirense. Era extraordinário, era um jogador que marcou presença no futebol português e não só. Um jogador de alta classe. Todos gostávamos dele como homem…” 

Shéu trabalhou com Chalana no Benfica, não dentro como fora do campo. “Quero endereçar à família um abraço solidário neste momento difícil. Tive o privilégio de passar muito tempo com o Chalana, primeiro como colega, depois como funcionário do Benfica. Como jogador foi um dos maiores do futebol português, era um jogador de qualidade mundial, reservávamo-lo para as situações difíceis, de um momento para o outro ele resolvia. Não há palavras para caracterizar o Chalana, é um momento muito triste para todos nós”, explicou o antigo futebolista, em declarações à Sport TV.

Álvaro Magalhães, jogou com Chalana no Benfica e chora a morte do amigo “Chalanix”. “Partiu o meu irmão, grande companheiro, considerava-o como um irmão. Uma pessoa extraordinária, como jogador era um génio. Costumo dizer que os melhores jogadores portugueses foram o Eusébio, que já nos deixou, o Chalana, que parte hoje, e o nosso Ronaldo. O Chalana era um génio e como pessoa não há palavras, sempre disponível para ajudar. Sou um felizardo porque joguei com ele, formámos a melhor ala esquerda do futebol português, pelo menos na década de 80. Tive-o à minha frente e ajudou-me a crescer. É o meu Chalanix, vai fixar sempre na memória de todos os portugueses e amantes do futebol”, disse o antigo lateral-esquerdo à CNN.

João Alves, antigo jogador do Benfica, em declarações à RTP3: “Foi um choque para mim, soube há minutos o que aconteceu… Sabia que ele estava doente há uma série de anos, mas fui apanhado de surpresa. Foi um grande colega que tive, joguei com ele no Benfica durante quatro anos, onde formámos o melhor meio-campo onde joguei até hoje e um dos melhores do Benfica. Ganhámos títulos, fomos a uma final da Taça UEFA, na Seleção igual… São muitas recordações que estão cá guardadas, quero é que ele descanse em paz. Tudo tem um final… Foi cedo demais.”

“Ele foi essencialmente feliz no Benfica e na Seleção Nacional.”

Humberto Coelho, vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol, partilhou o balneário com Chalana. “Foi uma notícia muito triste, apesar de pensar que ele estava num estado bastante perturbante. O que é certo é que o Chalana foi uma pessoa extraordinária, um jogador fantástico, com uma alegria de jogar fora do comum. Para ele o futebol era tudo. Acordar assim não é muito agradável… Há que lembrar com saudade o que ele fazia, a técnica, a habilidade, a entrega, o entusiasmo que ele tinha, além da amizade e do companheirismo. É uma saudade muito grande e uma tristeza, porque eu gostava muito dele”, disse à Sport TV.

Foi Chalana quem fez de Miguel lateral direito. O antigo jogador do Benfica recordou o momento em que Chalana lhe comunicou a mudança de posição e destaca gratidão eterna. 

«Foi um dos momentos mais impactantes da minha carreira, fez com que eu conseguisse atingi o topo, vou-lhe ficar grato para sempre, era uma posição que nunca imaginei que pudesse jogar. Tive o privilégio de privar com o mister «Chalas» como o tratava carinhosamente, sempre com um sorriso na cara a tentar ajudar os mais novos. Foi um ídolo, sempre o admirei. Foi com muita tristeza que recebi esta notícia», começou por dizer, em declarações à BTV.

Instado a comentar o momento em que Chalana lhe indicou nova posição no campo, Miguel não hesitou: «Foi num jogo contra o SC Braga, o Jesualdo Ferreira tinha sido destituído, Chalana dirigiu a equipa em dois jogos e queria mudar o sistema, usando três centrais, e estava na dúvida entre mim e o Armando Sá, as coisas correram-me bem, depois foi no jogo com o Gil Vicente e a seguir íamos a Alvalade, foi quando levei essa posição mais a sério,  continua a atacar como eu gostava… Chamou-me à parte e disse-me que ia fazer o corredor todo, ao princípio estranhei, mas a vontade de jogar fala sempre mais alto. Vou-lhe ficar grato para o resto da vida pela aposta que fez em mim, são coisas boas que ficam.»

Leave a Reply