Site icon TerceiroAnel.blog

Luís Filipe Vieira voltou para segundo dia de afirmações polémicas

Advertisements

O antigo presidente do Benfica falou novamente esta terça-feira à CMTV. No estúdio estiveram Diamantino Miranda, João Malheiro e Pedro Guerra, juntamente com o moderador João Ferreira.

Começou com um esclarecimento em relação à entrevista da véspera. Luís Filipe Vieira, no dia em que foi detido, não almoçou com elementos da Polícia Judiciária, mas sim com inspectores da Autoridade Tributária.

Luís Filipe Vieira começa a falar: «Os presidentes foram eleitos pelos sócios. Estive lá cinco ou seis mandatos não foi porque me apeteceu. Outra coisa: disse as divergências que tive com o Rui Costa. Quem não se sente não é filho de boa gente e acho que o discurso que o Rui Costa fez na sua entrada, estando eu detido, foi muito incorrecto. Se me tivesse feito um telefonema a pedir desculpa, porque ele sabe o que eu trabalhei para o Benfica… Por alguma razão ele dizia que as pilhas do Vieira nunca acabam. Nunca fui inimigo do Rui Costa. Já contei quando tive divergências com ele. Se me devia pedir desculpa? Já disse que sim. Não foi ele que fez aquele discurso. Sei quem foi, um antigo dirigente do Benfica, se eu tivesse no lugar dele recusava-me a ler aquilo.»

«Vou mover um processo-crime contra Luís Filipe Vieira por difamação», anuncia agora João Malheiro, a propósito das palavras do antigo presidente do Benfica na entrevista da véspera, ao referir-se à ligação do comentador com Eusébio.

«Vai falar com a Flora [mulher do Eusébio] e, se tiveres decência, pede-lhe desculpa por tudo o que fizeste. Mete o processo que quiseres, sobre o Eusébio não falo mais», reagiu Luís Filipe Vieira.

Recebeu apoio após a entrevista? «Ando todos os dias na rua e a minha resposta é sempre a mesma: o Benfica, para mim, acabou. Isso está claro. Dei 20 anos de trabalho ao Benfica e só nos últimos dois tive férias. A obra está à vista.»

Diamantino questiona diretamente Vieira: Qual o seu erro para nos últimos cinco anos apenas ter conquistado um título de campeão nacional? «Não foi por falta de trabalho. No futebol, ganha-se , perde.-se e empata-se. O Benfica teve a hegemonia do futebol em Portugal alguns anos, quando começou a mexer na equipa as dificuldades foram claras. Mas o Benfica esteve sempre na luta, não foi por falta de trabalho.»

«No primeiro ano do Jorge Jesus, por exemplo, não tenho dúvidas que houve uma situação gravíssima por causa do Covid. Os jogadores diziam que estavam recuperados e nem correr conseguiam. Com o Bruno Lage, ao fim da primeira volta apenas sofremos uma derrota com o FC Porto, na segunda volta não sei o que aconteceu. Não foi por falta de disciplina nem de profissionalismo, tínhamos boa equipa e tudo indicava que seríamos campeões. Se deveria ter segurado Bruno Lage? O Benfica é complicado, porque os benfiquistas não sabem esperar. Se soubessem esperar, o Benfica teria uma equipa fabulosa com jogadores do Seixal. O Bruno Lage foi o treinador da moda e vejam o que lhe fizeram. Foi assobiado. O mesmo aconteceu com o Rui Vitória, que em três anos ganhou seis títulos.»

Autorizou Pinto da Costa a filmar um programa no Estádio da Luz? «Se alguém teve divergências com o Pinto da Costa fui sempre eu, mas sempre aliviei. Não vejo inimigos no futebol. Estávamos num momento de pacificação do futebol português. Quando ele falou comigo, disse-lhe que tudo bem, desde que não falasse mal do Benfica. Dei a autorização, não vejo mal nisso. O Rui Costa também apertou a mão a Pinto da Costa e parecia que tinha feito um crime. Esses ódios de estimação não levam a lado nenhum. O Benfica precisa dos outros e os outros precisam muito mais do Benfica. Não estou arrependido. Nunca me sentava ao lado dele, nem ele se sentava ao meu lado.»

Nova pergunta de Diamantino a Luís Filipe Vieira: porque recebeu no Seixal pessoas que têm ódio ao Benfica? «A única pessoa que recebi no Seixal foi um adepto do FC Porto, que passou por lá e queria falar comigo, o Vítor Catão. Foi um erro meu, assumo-o. Se soubesse que este programa era para estas conversas, não tinha vindo. Acho que isto é uma hipocrisia.»

Aspectos positivos na atual Direção? «O Rui Costa é julgado por aquilo que faz, tal como aconteceu comigo. Já vi aspectos positivos e também muitos negativos. Neste momento está a fechar um pouco o Seixal, já não é mau, mas não com as pessoas que tem lá.»

Os casos de Rafa, Pizzi e Grimaldo? «Dá-me vontade de rir. O pior caso que o Benfica teve foi entre o Cardozo e o Jorge Jesus. Um não queria jogar, o Jesus não treinava mais o Benfica se estivesse o Cardozo. Com descrição resolvi o problema. Já recentemente, depois do jogo com o FC Porto, já houve mais atos de indisciplina. Alguma coisa se passa no Benfica que no meu tempo não acontecia. Eu chegava lá e falava com eles. Sabiam que eu mudava logo o tom. Não é o Rui Pedro Braz que tem força para liderar o Benfica no balneário. No jogo com o FC Porto foram permitidos alguns desabafos e em vez de alguém empurrar o Pizzi para baixo do chuveiro, toda a gente sabe que ele foi um ótimo profissional. Todos sabiam que os adjuntos iriam contar ao Jorge Jesus. O Benfica é gerido pela Comunicação Social. Quem passou cá para fora? Foi alguém que estava lá dentro.»

«Assumo que fui eu que admiti o Rui Pedro Braz. Já fez tantas asneiras no Benfica e continua lá. Quem é o presidente? Venderam o Waldschmidt por 12 milhões de euros e tínhamos preparado vendê-lo por 25 milhões. Antes de ser detido, disse ao Rui Pedro Braz para nunca mais vender um jogador sem eu dizer o preço, como aconteceu com o Nuno Tavares. Se eu fosse presidente, já não trabalhava no Benfica.»

«Quando eu saí, o Rui Pedro Braz disse que ficou ali sozinho e não sabia nada daquilo. Era preciso que alguém o tivesse ensinado. Quando disse que ele fez a cama ao Jesus sei bem o que estou a dizer (…) Há pessoas no Benfica que hoje em dia têm amnésia (…) Se contasse as verdades todas que vivi no Benfica…»

Pacto com o presidente do Sporting: Frederico Varandas telefonou para mim para nivelar o teto salarial. Encontrámo-nos, assim como responsáveis de Benfica e Sporting. Foi um pacto de não agressão. As modalidades atingiram um montante que é complicado para qualquer clube. Se resultou? Tanto o Benfica como o Sporting cumpriram»,

Mensagem final: «Os benfiquistas têm de dar tempo ao Rui Costa. Não podem exigir que de um momento para o outro saiam a 100 por cento., O trabalho que está a fazer, na minha ótica, está a ser bem feito. Há coisas que, se calhar, eu não faria, mas a família benfiquista tem de estar unida. O que me daria mais gozo seria festejar o título de campeão. Que o Rui esteja lá muitos anos e ganhe muitos títulos.

A fechar, a última questão a Luís Filipe Vieira: Vai à Assembleia Geral de quarta-feira? «Não estou cá», respondeu.

Exit mobile version