Bernardo Silva admite não saber o que esperar da Macedónia do Norte

Bernardo Silva foi o jogador indigitado para aflorar o embate com a Macedónia do Norte, tendo o médio do Manchester City admitido uma certa imprevisibilidade no que esperar de um adversário que já marcou de forma severa duas potências como Alemanha e Itália, impondo mesmo uma receita escandalosa enquanto visitante.

«Sinceramente não sabemos bem o que esperar. A Macedónia pode jogar com bloco mais baixo ou também ser mais pressionante. Tivemos oportunidade de os conhecer em alguns vídeos e deu para perceber que é uma equipa muito agressiva nos duelos mas que com bola tenta sempre jogar. Não esperamos, de todo, um jogo fácil», avisou o craque do Manchester City, não fugindo dos riscos adjacentes a um insucesso em campo, que se revestirá de fracasso absoluto no que são as intenções nacionais.

«Se a Macedónia chegou ao jogo decisivo para se qualificar, é porque o merece! Se venceram Alemanha e Itália, mesmo com essas estatísticas todas, é sinal que é uma equipa forte e coesa. Isso diz-nos que temos uma tarefa difícil pela frente e temos de dar tudo para ultrapassar este adversário», explicou Bernardo Silva, taxativo quanto à pressão de ganhar, refutando qualquer diferença de pensamento entre receber Itália ou Macedónia do Norte no Dragão:

«Não, de todo! A responsabilidade de estarmos presentes no Mundial faz com que, independentemente, do adversário, implique sempre essa pressão. Existe a pressão de estarmos no Catar e nós aceitamo-la. A pressão seria igual fosse Itália ou Macedónia. Sabemos perfeitamente que temos de estar no Catar.»

Bernardo também se debruçou sobre o seu desdobramento em campo, partilhando conforto pelas funções mais recuadas que teve diante da Turquia.

«É uma posição que conheço bem, onde tenho jogado os últimos jogos pelo City e onde tenho jogado especialmente esta época. Posso jogar onde o mister Fernando Santos achar melhor para a equipa. Estou habituado a várias posições, posso ser extremo-direito, médio-ofensivo mais 10, ou médio mais 8 a ajudar a posição 6. Agora joguei mais perto do João, senti-me bem, gosto muito de jogar aí também», sublinhou Bernardo Silva, gabando a plateia ruidosa que empurrou Portugal para a vitória diante da Turquia:

«É muito importante jogar em casa, é completamente diferente para nós. O apoio sentido no Dragão já o tínhamos sentido na Liga das Nações. Mais uma vez o estádio esteve fantástico, esperamos contar de novo com a força que nos deram no último jogo.»

Leave a Reply