Ex-basquetebolista do Benfica torna-se o primeiro português a jogar na NBA

Dia 17 de dezembro de 2021, já madrugada de dia 18 em Portugal, Golden 1 Center, em Sacramento. O jogo da regular season entre os Sacramento Kings e os Memphis Grizzlies (105-124), ficará para sempre marcado como a partida da estreia oficial do primeiro português na NBA e tendo Neemias Queta, aos 22 anos, como protagonista. Seis meses após ter sido escolhido na 39.ª posição do draft e à 30.ª partida dos californianos no 76.º campeonato, já está! É história! Podem reescrever os livros da Liga. 
 
Faltavam 1.01 minutos para o intervalo (56-56) quando o treinador adjunto Doug Christie, que tem substituído o interino Alvin Gentry por este estar infetado com covid, disse a Neemias para levantar-se do banco e entrar em campo, substituindo o extremo/poste nigeriano Chimezie Metu.
 
Colocando-se de imediato junto ao garrafão para lutar pelo ressalto após lance livre, foram pouco segundos até que o português sentisse o encosto do ombro esquerdo do poderoso poste dos Grizzlies Steven Adams a entrar no seu na disputa pelo ressalto. Bem-vindo à NBA!
 
Antes do intervalo o poste luso haveria ainda de falhar um lançamento a meia distância, onde deu para notar o nervosismo, e para deixar uma das suas imagens de marca ao impor um desarme de lançamento ao extremo de Memphis Kyle Anderson, quando este tentou marcar numa entrada para o cesto. 
 
No regresso dos balneários Queta voltou a sentar-se no banco, mas, com 4.30m no cronometro para terminar o 3.º quarto (69-74), nova oportunidade para saborear o prazer de jogar na NBA e começar a ganhar ressaltos. Foram dois, com uma falta à mistura até ao fim do período.
 
Nos derradeiros 2.13 minutos da partida que marcará o basquetebol português, o camisola 88 dos Kings reentrou para o lugar de Maurice Harkless. Uma vez mais procurando sempre estar envolvido nas jogadas dos Kings, tanto subindo a poste alto para fazer bloqueios, como trabalhando debaixo do cesto, após a conquista de um ressalto ofensivo podia ter registado os primeiros pontos numa tapinha, mas falhou. 25 segundos depois teve outra hipótese de fazer funcionar o marcador numa entrada para o cesto, mas também não foi bem-sucedido. Os nervos continuavam à flor da pela. Fica para a próxima pois oportunidades não irão certamente faltar. 
 
Para já, no registo para a história, ficaram 8 minutos em campo com 0/3 em lançamentos, 4 ressaltos (2 ofensivos), 1 assistência, 1 desarme e 1 falta. Os Kings tornam a atuar amanhã, na receção aos San Antonio Spurs. 

Leave a Reply