Onze do Benfica sem rotinas ganha em Paredes pela margem mínima

Reencontro volvidos 36 anos entre Sport Lisboa e Benfica e USC Paredes, com as águias a vencerem por 0-1. No Estádio Cidade Desportiva de Paredes, os encarnados fizeram o que lhes competia e seguem para a 4.ª eliminatória da Taça de Portugal.

Regresso às competições internas após paragem competitiva para os compromissos das seleções e pela frente a estreia na edição 2020/21 da Taça de Portugal. Do outro lado da barricada o USC Paredes, equipa a militar no Campeonato de Portugal… um teste para evitar surpresas, como avisara Jorge Jesus na antevisão.

Segundo embate entre os dois emblemas, ambos para a prova-rainha. Em 1984/85, em Penafiel, nos quartos de final, triunfo por 0-3; neste sábado, em Paredes, a história repetiu-se, desta feita com outros números e a contar para a 3.ª eliminatória da competição.

Um senão, e bem grande, na festa da Taça… faltou a verdadeira festa, a que o público faz nas bancadas!

Paredes-Benfica

Face à convocatória de Jorge Jesus eram expectáveis várias alterações no onze, e assim foi! Helton Leite, Gilberto, Ferro, Jardel, João Ferreira, Samaris, Chiquinho, Pizzi, Cervi, Gonçalo Ramos e Ferreyra foram os eleitos para começar o encontro.

Apito de Vítor Ferreira, árbitro da AF Braga, e os momentos iniciais ficaram marcados por dois lances de bola parada, um para cada um dos lados. Dois livres, mas também ambos sem consequências de maior. Aos 5′, o primeiro lance perigo dos encarnados, com Ferreyra a cabecear por cima, após cruzamento exímio de Pizzi na direita.

E muito cedo se percebeu a estratégia! Jogo largo, em organização, privilegiando as alas, com o Benfica a empurrar o Paredes para a sua zona mais defensiva. Do outro lado, postura expectante, com a formação de Eurico Couto a estacionar o autocarro e a espreitar a profundidade, à procura do contragolpe.

Com as equipas a jogarem praticamente nos últimos 30 metros, bem juntinho à área dos anfitriões, os espaços escasseavam. Aos 16′, Gonçalo Ramos conseguiu soltar-se, mas o remate saiu direitinho à malha lateral.

Paredes-Benfica

Foi preciso esperar mais dez minutos para o golo! Lance pelo flanco esquerdo e falta sobre João Ferreira. Na conversão do livre lateral, com conta peso e medida, Cervi oferece a Samaris. O grego ataca bem a bola, sobe ao 1.º andar e cabeceia sem hipóteses, para inaugurar o marcador. Minuto 26 e estava feito o mais difícil… parede derrubada, resultado desbloqueado!

Em desvantagem, e num jogo de “mata-mata”, o Paredes não alterou a estratégia e obrigou o Benfica a um jogo de paciência, persistência e muita resiliência. Objetivo? Descobrir espaços para os artistas fazerem o que melhor sabem.

Nos últimos minutos o jogo espevitou. Aos 38′, investida dos homens da casa, com Ismael Pinto a rematar forte para defesa de Helton Leite. Na resposta, João Ferreira subiu no flanco e cruzou na esquerda, e Ferreyra, de cabeça, disparou para defesa apertada de Marco Ribeiro.

Em cima do intervalo, em mais um lance de bola parada, jogada de laboratório, com o guardião adversário, corajoso, a sair aos pés de Cervi e a evitar o golo. Do outro lado, primeiro canto da partida, com Helton Leite a voar para uma boa defesa.

Ao intervalo, vantagem mínima para o Benfica (0-1), com as águias a registarem 78% de posse de bola… Está tudo dito!

Paredes-Benfica

Reatar e jogo mais intenso, com o Paredes a surgir mais solto e a levar perigo à zona defensiva dos encarnados. Mas, tal como diz o ditado popular, foi sol de pouca dura, com o Benfica a tomar conta das operações. 

Mais um par de lances de bola parada sem consequências, e Cervi, aos 58′, a sacudir. Primeiro a cruzar, depois num remate rasteiro, mas bem direcionado, a chamar Marco Ribeiro ao serviço.

Jardel, aos 62′, na sequência de mais um canto, cabeceou para fora, e no minuto seguinte foi Gonçalo Ramos a rematar de meia distância, mas ao lado.

Aos 68′ as primeiras mexidas no xadrez das águias, com as saídas de Gonçalo Ramos e Ferreyra, para as entradas de Daniel dos Anjos e Tiago Araújo, ambos em noite de estreia na equipa principal!

A toada não se alterou, com as duas equipas a manterem a postura, apesar da margem mínima, sem lances de grande registo ou oportunidades de maior. Em cima dos 90′entrada de Morato para a saída de João Ferreira.

Paredes-Benfica

No final, triunfo para o Benfica, por 0-1, num desafio longe de ser espetacular, mas que cumpriu com o objetivo traçado: carimbar presença na 4.ª eliminatória da prova-rainha.

O Benfica foi sério, respeitou o adversário, foi melhor, venceu justamente e teve uma enorme capacidade de manter a paciência e nunca perder o controlo para espraiar o seu jogo, de mangas arregaçadas, perante um Paredes que montou uma autêntica muralha, complicada de derrubar. É assim a Taça!

Reabre-se agora uma outra janela competitiva, a Liga Europa. Sport Lisboa e Benfica e Rangers têm encontro marcado às 20h00 da próxima quinta-feira, dia 26 de novembro, no Estádio Ibrox. Em Glasgow estará em disputa a 4.ª jornada do Grupo D da prova.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.