CERVIços mínimos garantem triunfo em Guimarães

Um Benfica solidário, coeso e certeiro no momento da finalização conquistou três importantes pontos no Estádio D. Afonso Henriques, defendendo com nervo a liderança na Liga NOS (com mais um jogo, tem sete pontos de avanço).

Perante um adversário difícil, bem estruturado e pertinente com bola, o comandante justificou as patentes de equipa mais realizadora (38 golos marcados) e menos batida da prova (cinco sofridos), alcançando a 14.ª vitória em 15 jornadas (42 pontos).

Consistência, organização tática, sentido posicional, concentração e eficácia foram alguns dos aspetos-chave na atuação do Benfica na primeira parte do duelo no Minho e que perduraram após o intervalo. O Vitória, fiel à sua matriz, fez por ter bola e iniciativa, mas os encarnados consentiram poucos espaços na zona recuada na primeira meia hora do desafio.

Numa jogada rápida, o Campeão colocou-se em vantagem no marcador ao minuto 22. A bola saiu dos pés de Cervi, passou pelos de Chiquinho e de Pizzi, que, já no enfiamento da grande área, colocou o esférico no meio da grande área, onde reapareceu Cervi para concluir da melhor maneira usando o pé direito (0-1). Ao primeiro remate, o Benfica colheu frutos.

Em reação, os vimaranenses tiveram mérito na forma como conseguiram forçar brechas para tentar visar a baliza benfiquista: Lucas Evangelista (31′) e Edwards (39′ e 45′) importunaram Odysseas, mas este foi de uma competência extrema, fazendo a diferença na sua posição.

Com posse, mas denotando dificuldades para invadir a zona defensiva do Benfica, o Vitória usou e abusou de cruzamentos na fase inicial da segunda parte. O guarda-redes Odysseas e os centrais Rúben Dias e Ferro, muito sólidos e atentos, nunca se deixaram surpreender.

Num passe longo para Vinícius ao minuto 56, as águias dispuseram de uma oportunidade para faturar. O avançado passou por Pedrão, mas ficou com ângulo reduzido. Ainda assim, o brasileiro arriscou o remate de pé esquerdo, com Douglas a responder com uma defesa para canto.

Espremendo o que se passou na etapa complementar, o lance mais complicado de resolver pela defensiva encarnada aconteceu aos 68′: Odysseas não susteve a bola cruzada da direita por Davidson, Evangelista foi lesto a visar a baliza na segunda vaga, mas o guarda-redes do Benfica, recuperando a posição, foi bravo na abordagem ao esférico e espalmou para canto.

Bruno Lage trocou Vinícius por Seferovic aos 71′. Nesta fase do encontro o Benfica tinha mais tempo de bola e controlava os acontecimentos com frieza, sempre à espreita de um desequilíbrio que pudesse produzir um segundo golo que arrumasse o resultado.

A bola podia ter entrado na baliza de Douglas aos 86′, mas o guarda-redes dos minhotos ganhou o cara a cara com o Pizzi no coração da grande área. Nesta altura já Samaris tinha rendido Chiquinho (82′): o Benfica refrescava-se numa zona-chave (centro do meio-campo) e ganhava músculo.

Com o desafio a caminhar para o fim, as águias dispuseram de uma boa ocasião para tentar o 0-2. Pizzi sofreu falta perto da área vimaranense, Gabriel assumiu a execução do livre direto e… Douglas voou e sacudiu o esférico por cima da barra (90’+1′)!

Com segurança, e já com Gedson no lugar de Pizzi (90’+2′), o Benfica, fiável, geriu e controlou as ocorrências, com e sem bola, no tempo de compensação, onde uma entrada mais ríspida de Rochinha sobre Samaris (90’+6′) resultou na mostragem do segundo cartão amarelo e consequente vermelho ao jogador do Vitória.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.