Tiago Pinto desvenda a estratégia do Benfica para 2019-2020

Terminados os festejos, Tiago Pinto fez, numa extensa entrevista ao jornal “A Bola”, o balanço de uma época em que o principal objetivo foi cumprido.

O Benfica assumiu a Reconquista como principal meta para 2018/19 e, enfrentando “todas as condicionantes”, chegou ao tão ambicionado 37, que, para o diretor-geral para o futebol profissional, é “muito mais do que a reconquista do título nacional; é a reconquista de muitos outros valores que fazem parte do ADN do Benfica”.

Para 2019/20, a estratégia está montada: “contratar pouco, mas bem.”

Quem é o Tiago Pinto e como chegou ao Benfica?

O Tiago Pinto é, acima de tudo, um Benfiquista. Desde pequeno que sigo o Clube em tudo o que são as atividades desportivas e sociais e, paralelamente a isso, considero-me um homem de valores e sou ultradedicado ao trabalho. Felizmente, o Benfica deu-me a oportunidade de ser profissional do Clube. A minha chegada ao Benfica é um pouco conhecida, fruto desse acompanhamento que sempre fiz do Clube. Houve um momento numa Assembleia Geral em que eu teci as minhas considerações sobre o Clube, essa intervenção teve algum peso em termos mediáticos e, naquele momento, o Presidente quis conhecer-me. A partir daí começámos a falar, ficou surpreendido com tanta coisa que eu sabia sobre o Benfica e particularmente sobre as modalidades, e começámos a criar uma relação de alguma proximidade e de partilha de ideias sobre o Clube e para o Clube. Cinco/seis meses depois convidou-me para vir trabalhar para as modalidades.

As modalidades foram uma rampa de lançamento para o futebol?

Honestamente, não. Fui sempre muito fã das modalidades, mas, quando comecei a trabalhar nas modalidades, posso até confidenciar que usava o futebol para manter a minha veia de adepto. Continuava a ver o futebol na bancada e não nos camarotes, e posso dizer que nos cinco anos que trabalhei nas modalidades foram muito raras as vezes em que falei com o Presidente sobre futebol. Para ser sincero, nunca pensei que um bom trabalho nas modalidades me levasse ao futebol e devo confessar que me apaixonei completamente pelas modalidades, pelas pessoas, pelas equipas, pela competitividade, pela cultura diferente que existe em cada uma delas e ainda hoje as sigo. Foi um prazer muito grande trabalhar nas modalidades e nunca vi esse trabalho como rampa de lançamento. Daí ter ficado totalmente surpreendido com o convite que o Presidente me viria a fazer.

Tiago Pinto

Foi, portanto, apanhado de surpresa quando Luís Filipe Vieira o convidou para suceder a Lourenço Coelho.

Eu tinha um sonho que não foi cumprido, que era ser campeão nas cinco modalidades de pavilhão no mesmo ano. Por isso, estava longe de imaginar que naquela altura pudesse sair das modalidades. Estava no terceiro jogo da meia-final do Basquetebol – Oliveirense-Benfica, em Oliveira de Azeméis – e o Presidente ligou-me e perguntou-me quem poderia ir para o meu lugar se eu saísse das modalidades. Foi uma conversa em que eu nem percebi o que estava a acontecer. Só depois, na segunda-feira seguinte, é que ele me chamou ao gabinete e me explicou. Confesso que fiquei, primeiro, totalmente surpreendido, e, depois, apreensivo porque ia substituir o Lourenço Coelho, que tinha 17 anos de futebol, 14 de Benfica, quatro deles como diretor-geral, e era Tetracampeão. Foi uma surpresa e, ao mesmo tempo, um desafio enorme. O Presidente acabou por me convencer de que tudo correria bem. O Lourenço [Coelho] e o doutor Domingos Soares de Oliveira tiveram uma importância muito grande para me facilitarem a entrada, e depois – algo que nunca vou esquecer – as pessoas que compunham e compõem ainda algumas delas a estrutura do futebol profissional, que me ajudaram muito a continuar o bom trabalho que o Lourenço vinha a fazer, com naturais mudanças.

Benfica

Sabe quantos títulos ganhou nas modalidades?

Não, nunca os contei. Tenho uma máxima de vida com a minha mulher: se eu algum dia chegar a casa a dizer que desde que eu estou no Benfica o Clube ganhou “x” títulos ou que eu ganhei “x” títulos, ela tem autorização para pegar no telefone, ligar ao Presidente e dizer que está na hora de eu me ir embora. Aqui quem ganha é o Benfica, não sou eu.

Benfica

De todos os títulos ganhos, qual foi o que lhe deu mais prazer?

É impressionante aquilo que nós vivemos no dia da Reconquista. Eu, como Benfiquista, não posso dizer outra coisa a não ser que o título mais especial foi este. Não só por ser o último, mas porque tem uma dimensão estratosférica. Foi um dia de felicidade imensa, mas, quando olho para trás e penso nas modalidades, lembro-me de muitos momentos também eles muito marcantes e felizes. Quando, por exemplo, fomos Campeões Europeus de hóquei em patins em casa precisamente no dia em que o Benfica se sagrou Tricampeão de futebol; o título nacional de futsal em casa do nosso principal rival [Sporting]; os títulos sucessivos no voleibol, uma modalidade que tinha dois ou três títulos e que depois passou a ganhar todos os anos; a mesma coisa no Basquetebol onde ganhámos 11 títulos seguidos. Há também uma Taça de Portugal no andebol que eu valorizo muito, com uma equipa composta por muitos elementos da formação do Benfica, em que batemos o Sporting e o FC Porto.

Tiago Pinto

Como é o dia a dia do diretor-geral para o futebol profissional?

O meu dia a dia é simples: começa sempre às 7 da manhã no Seixal e nunca sei quando acaba. Gosto de chegar cedo porque há pouca gente e é o momento em que eu tenho mais tranquilidade para ver e-mails e organizar o meu dia e a semana. A partir daí, tenho sucessivas reuniões com vários departamentos. Há sempre uma fase de algum stress antes do treino porque é onde gerimos quem treina, quem não treina, onde temos o feedback da equipa técnica, onde há eventuais chamadas de jogadores da Equipa B… No pós-treino a mesma coisa. Almoço sempre no Seixal com a equipa técnica e com os meus colegas. Da parte da tarde, procuro vir sempre ao Estádio porque é onde está toda a estrutura profissional do Benfica e há sempre trabalho com os vários departamentos – Marketing, Fundação, Financeira, Recursos Humanos.

Benfica

Tem 34 anos. Há, no plantel principal, jogadores mais velhos. É fácil a interação com eles?

No futebol, o que eu senti – e nas modalidades conheci muitos grupos de trabalho – é que o grupo é tão saudável, os jogadores são humanamente tão incríveis, que eu nunca senti o mínimo problema em relação a isso. Tenho uma ótima relação com eles.

Há um episódio, em Alvalade, que foi público. O balneário do Benfica estava decorado com desenhos feitos pelos familiares dos jogadores. Esse é um exemplo do trabalho invisível do seu dia a dia?

Quando cheguei ao futebol, o Ricardo Lemos disse-me “n” vezes que, no futebol, mais do que os “pormaiores”, o que contava eram os pormenores. Isso que viram em Alvalade é uma constante do nosso dia a dia. Estamos a falar de decoração de balneários e posso dizer que quando jogámos na Madeira [Marítimo] o balneário estava decorado com fotografias dos jogadores enquanto crianças; quando fomos ao Rio Ave, no autocarro, os jogadores viram um vídeo gravado pelos filhos; em Chaves jogaram com o nome das famílias na camisola; no Dragão tinham o nome das famílias e outras pequenas mensagens nas paredes; em Braga, no balneário, onde estaria o nome deles, estava a fotografia das famílias. Mas isto não é só nos balneários. É uma constante procurarmos que o jogador se sinta confortável em todas as situações e sinta que aqueles de quem mais gosta estão presentes. Dou um exemplo: quando vimos o calendário da época que passou, percebemos que os jogadores iam ter 16/17 jogos entre dezembro e janeiro e isso impossibilitou-os de passar o Natal e a passagem de ano com as famílias. Poucos dias antes do Natal, arranjámos um Pai Natal Benfica que foi a casa de todos eles, de surpresa, oferecer presentes às esposas e aos filhos. São pequenos exemplos, mas isto é o nosso dia a dia. Talvez por isso haja tantos jogadores que saem do Benfica e que mais tarde dizem que foi um passo atrás ou que a estrutura do Benfica os acompanhava muito bem. É uma preocupação de toda a gente. É uma filosofia do Clube. O jogador do Benfica sente que a única coisa que precisa é de treinar bem e jogar, tudo o resto nós tratamos e cuidamos.

Benfica

Como é ter a presença constante do Presidente no Seixal?

Para mim, é fantástico. O Presidente é o nosso líder inspirador e, no meu caso, é a minha grande referência em termos profissionais. Quanto mais tempo ele passar no Seixal e perto de mim, do Rui Costa, da equipa técnica e dos jogadores, melhor. Quanto mais tempo estivermos juntos, melhores vão ser as decisões e posso dizer que, hoje em dia, já há momentos em que também eu durmo no Seixal.

As famílias não se queixam?

Esse é o ponto. Obviamente que quando se assume o Benfica com o espírito de missão com que nós assumimos, são as famílias que saem prejudicadas. Isto às vezes parece um lugar comum, mas a verdade é que nunca vivemos com eles os momentos importantes. Chegamos a estar meses sem ter uma única folga, mas há momentos – e nisso eu compreendo perfeitamente o Presidente – em que precisamos de estar sozinhos, não ter gente por perto para podermos tomar decisões. É essa a nossa vida, tomar decisões.

Benfica

Só se entende este trabalho com paixão?

Eu não consigo imaginar de outra maneira. A paixão que tenho pelo Benfica e conhecimento que tenho da história do Clube ajuda-me a tomar melhores decisões. Felizmente, na minha estrutura, estou rodeado por muita gente que tem esta mesma paixão. Quando estamos a chegar aos estádios e vemos aquela gente toda à nossa espera, o Ricardo [Lemos] diz sempre “no dia em que nos esquecermos que é para esta gente que trabalhamos, já não estamos aqui a fazer nada”. Muitas vezes as pessoas pensam que a paixão que tenho pelo Benfica me pode prejudicar, mas eu acho que só conseguimos ser racionais e tomar boas decisões no Benfica se conhecermos o que é o Benfica. E para conhecermos, temos de ter essa paixão.

Tiago Pinto

Em relação a Rui Vitória…

Toda a gente que nos rodeia sabe que eu criei uma grande amizade com o Rui Vitória e que mantenho. O Rui Vitória como pessoa é fantástico, devo-lhe muito da minha integração no futebol profissional pela forma como me recebeu e como me ajudou. Como treinador é um dos mais vitoriosos da história do Benfica e talvez o primeiro a ajudar o Benfica a mudar o paradigma e a cumprir o sonho do nosso Presidente. Tal como o Presidente disse recentemente na Câmara Municipal de Lisboa e como o Rui Costa referiu recentemente numa entrevista, “o Benfica está eternamente grato ao Rui Vitória”, e eu tenho a certeza absoluta de que o Rui Vitória está eternamente grato ao Benfica. Naquele momento [da saída] sentimos todos que não dava para continuar e o mais importante é esta gratidão mútua, é sabermos que quando despedimos um treinador todos temos a sensação de que não fizemos as coisas bem. Todos nós aprendemos com os erros, mas o mais importante agora é gratidão de parte a parte porque o Rui Vitória foi para o Al-Nassr vencer o título e nós conseguimos a tão ambicionada Reconquista, onde ele também teve o seu papel. Quando a poeira assentar e quando se falar sobre tudo isso, reconhecerá que nós – estrutura – tudo fizemos para que as coisas resultassem. Estamos todos de bem com a vida e as coisas estão totalmente claras.

Tiago Pinto com Bruno Lage

Como se chega ao nome Bruno Lage?

Houve uma pessoa que há mais de um ano foi recrutá-lo – ainda ele era adjunto – para a Equipa B do Benfica. Essa pessoa chama-se Luís Filipe Vieira, que já tinha trabalhado com ele quando estava na formação. Nunca perderam contacto e no momento em que o Presidente decidiu que era preciso mudar de orientação na Equipa B, recorreu ao Bruno [Lage]. A história viria a repetir-se quando o míster Rui Vitória saiu. Colocou-se a hipótese de Bruno Lage, reforçada também com o conhecimento que o Rui Costa tinha sobre ele e sobre o trabalho que tinham feito. O resto é a competência e, em alguns aspetos até, a genialidade do Bruno Lage. É uma equipa técnica incrivelmente dedicada, um grupo de jogadores de uma qualidade fantástica dentro e fora de campo e uma estrutura competente.

Benfica

O título europeu não é uma exigência pesada para Bruno Lage?

Acha que é maior exigência continuarmos a alimentar o sonho do nosso Presidente e de todos nós de um título europeu, ou pegar numa equipa como a do Benfica – a sete pontos da liderança e a quatro meses do final do campeonato –, com um ambiente altamente negativo? Faz-nos bem viver este sonho. Há muita gente que diz que colocamos a fasquia muito alta… Eu gosto de viver este sonho e gosto de acreditar que o Benfica vai ganhar um título europeu. É isto que nos move, é isto que faz com que queiramos ser todos os dias melhores. Conhecendo o Bruno Lage como conheço, acho que isso não lhe coloca nem mais um centímetro de pressão. Ele é uma pessoa altamente focada no dia a dia, nas suas tarefas e no sucesso, é muito autoexigente e, por isso, o que eu sei é que sempre que tivermos um jogo europeu, nos três dias antes, ele não vai pensar em mais nada. A seguir, quando tivermos um jogo para o Campeonato, o jogo europeu já passou. Não acho que isso seja uma pressão acrescida.  

Benfica

Fechar o balneário ao exterior é uma das suas principais missões?

Seguramente. Temos de ter consciência do mundo em que vivemos. O jogador de futebol é um ser humano, inteligente, com acesso a toda a informação. Não podemos fazer de conta que as coisas não existem, mas cabe-nos não permitir que os assuntos que são percecionados como problemas não o sejam para nós. Temos um balneário com muita gente nova, mas também com muita gente experiente e que me ajuda diariamente a gerir essas questões e esse fechamento do balneário. Acho que temos conseguido. Que cheguem e que entrem, nós não conseguimos evitar; que afetem e que prejudiquem, tentamos evitar. Toda a estrutura do Benfica tem feito um ótimo trabalho para que tenhamos conseguido muitas vezes transformar aquilo que era um problema numa oportunidade de motivação. Disse há tempos o Manuel Alegre que era uma vitória da resistência, e eu acrescento da resiliência. As coisas existiam, nós sabíamos que existiam, sabíamos a razão para existirem, mas procurámos que não nos afetassem ou que fossem transformadas numa energia positiva. O resultado está à vista.

Houve alguma distração que evitou a conquista do título em 2017/18?

Quando perdemos, a nossa primeira tentação é olhar para dentro, para o que fizemos mal e para o que temos de fazer para não voltarmos a perder. Eu, pessoalmente, acho que o campeonato do ano passado foi muito atípico, por muitas e diversas razões. No entanto, no final da época, aquilo que fizemos foi olhar para dentro. Felizmente, hoje estamos aqui a falar numa Reconquista que para mim e para nós é muito mais do que a reconquista do título nacional. É a reconquista de muitos outros valores que fazem parte do ADN do Benfica.

Benfica-Santa Clara

Já houve quem tenha chamado a este título o mais importante do século XXI. Sente isso também?

Sou muito zeloso da história do Benfica e, por isso, todos aqueles que ganharam os títulos que estão para trás têm o direito de dizer a mesma coisa. Acho é que o contexto destes últimos dois anos, a pressão mediática negativa que se exerceu sobre o Benfica, obviamente dá um sabor especial. Ainda por cima num campeonato em que mudámos de treinador, estávamos sete pontos atrás, com rivais fortíssimos. Com todas as condicionantes, este título será especial porque foi muito difícil de conquistar, mas no Benfica qualquer título é importante.

Jonas

Como é que se motiva um jogador que passa grande parte da temporada no banco de suplentes, como foi o caso de Jonas nesta fase final da época?

Nas modalidades aprendi uma coisa para a vida: nunca podemos nem devemos desistir de nenhum jogador. Nas modalidades não tínhamos os recursos financeiros que temos no futebol e quando contratávamos um plantel, tínhamos de ir com aquele plantel até ao final. Tivesse o jogador problemas emocionais, físicos, familiares, nós tínhamos de resolver esses problemas e tentar tirar rendimento. No futebol – e aí, mérito para toda a gente que me rodeia – partilhamos muito a informação. Falamos muito uns com os outros, passamos muito tempo juntos. Qualquer pessoa pode ter uma influência positiva sobre o jogador. O que é importante depois? Que todos partilhemos esta informação para que toda a gente perceba o que está a acontecer com aquele jogador naquele momento. E todos, independentemente se ele está a jogar ou não está, vamos fazer tudo para que esse jogador consiga ultrapassar essa fase. Porque, mais cedo ou mais tarde, vai ser importante. Tocou num exemplo em que é pública e reconhecida a importância de Bruno Lage nessa questão motivacional do Jonas, mas, por exemplo, o Rui Costa, nesse caso particular, foi ultra-importante para que o Jonas se mantivesse motivado, focado e se transformasse num elemento agregador e até potenciador de comportamentos positivos como foi. Ninguém melhor do que o Rui Costa sabe o que é jogar e não jogar, o que é ser número 10 – porque também é uma especificidade. Todos nós, independentemente das nossas funções, temos uma relação especial com determinado jogador. Muitas vezes essas relações são mais importantes do que as relações institucionais.

Na próxima época o Benfica ainda poderá contar com Jonas?

Há uma coisa no futuro dele que é certa e absoluta: o Jonas é um dos melhores jogadores da história do Benfica e um talvez dos três/cinco melhores jogadores do Benfica nos últimos 30 anos. Marcou uma época incrível no Benfica, foi muito feliz no Clube e, como também já é público, estamos todos a pensar naquilo que será o futuro do Jonas. Mas o lugar dele na história do Benfica ninguém vai apagar. Se vai ou não vai continuar a jogar, a seu tempo falaremos sobre isso.

Tiago Pinto

Qual é o seu papel em questões relacionadas com mercado?

No Benfica, todas as questões relacionadas com mercado – sejam negociações, contratações ou saídas – são lideradas pelo Presidente. O que acontece é que é impossível gerir um plantel destes e uma empresa destas sozinho. Felizmente, nós partilhamos muita informação, comunicamos muito, falamos muito sobre futebol – eu, o Presidente, o Rui Costa e o treinador – e eu tenho tentado ajudar, dentro daquilo que é possível, o Presidente em algumas dessas questões. Isto é um mercado dinâmico, os nomes vêm de todo o lado: do nosso conhecimento, de empresários, de amigos que veem jogos e que sugerem. Depois, nós procuramos colocar isto na vertente profissional. Temos um departamento de scouting altamente profissionalizado e competente liderado pelo Rui [Costa] e, para lá das nossas conversas diárias, o que procuramos é cientificizar o processo de recrutamento dos jogadores. Colocamos os nomes todos dentro desse sistema e, a partir daí, há dois tipos de relatórios diferentes, há análises técnicas, há analises sociológicas, há partilha de informação, discussões… Passamos tantas horas a falar de futebol que é impossível essas coisas não serem partilhadas.

Qual é a estratégia para a próxima época? Sendo que já falámos da conquista de um título europeu ou de uma boa campanha europeia, vai ser nesse sentido a estratégia de mercado?

Quando falamos em conquista de um título europeu e de sermos cada vez melhores na Europa, estamos a falar de um projeto a médio/longo prazo. Acima de tudo, queremos segurar os nossos principais jogadores, manter a identidade e a estrutura da equipa, mas, obviamente, também responder às necessidades e aos pedidos do treinador e, para isso, contratar pouco, mas bem.

Benfica-Setúbal

Sente que seria melhor para João Félix não sair já?

Para ele e para nós. Obviamente que queremos muito que o João fique e tudo faremos para que isso aconteça. Temos de ser realistas e sabemos perfeitamente que o João é um geniozinho e vai ser um dos melhores jogadores do mundo, mas estamos todos empenhados para que esta parceria continue, porque ele aqui é feliz e nós também somos muito felizes com ele.

Há algumas renovações agendadas. Alguma prioritária?

Não vou falar particularmente de nenhuma. As renovações, num passado recente, não têm dado problemas ao Benfica. Têm sido temas tratados de forma atempada, acabam sempre com os jogadores e o Benfica contentes e satisfeitos. Desde o início da época, houve muitos jogadores que já renovaram – Rúben Dias, Gedson, João Félix, Jonas, Salvio, Samaris… – e estas renovações têm muito a ver com uma política interna que existe no Benfica que muitas vezes não tem a ver com o término do contrato. Tem a ver também com questões de mérito que o Presidente e o Benfica gostam de instituir e, por isso, aquilo que eu posso dizer aos Benfiquistas é que estejam tranquilos porque esses processos estão todos a ser conduzidos como têm de ser. Brevemente haverá novidades, mas tudo tranquilo. O Presidente tem claramente uma máxima de meritocracia dentro do Benfica. Ele costuma dizer aos jogadores que quem faz os contratos deles são eles próprios. Como tal, há jogadores que renovaram recentemente, mas, fruto do rendimento, vão ter essas condições revistas.

Tal como Jonas, também Samaris passou por uma fase em que não jogava…

Mais uma vez, houve pessoas que estiveram presentes, que ajudaram para que isso acontecesse. Este ano tivemos duas expressões muito fortes no Benfica: “Todos Contam” – e quando dizemos que todos contam não é só uma campanha de marketing, é porque nós acreditamos profundamente nisto – e “Reconquista”. Foi talvez das primeiras vezes em que um slogan foi tão bem acolhido por todo o Clube e cumprido escrupulosamente. E é nesse sentido que nós trabalhamos.

Adel Taarabt

Uma das surpresas desta fase final foi a inclusão de Taarabt neste plantel. Houve algum cuidado especial para essa integração?

Essa é uma história muito bonita. Mais uma vez, nunca desistir de ninguém. Muita gente, hoje em dia, quer ser pai da recuperação do Taarabt, mas isto só tem um pai. O pai é o próprio Adel [Taarabt], com a mudança de atitude, e depois Bruno Lage, claramente, que o conheceu no âmbito da Equipa B. Conheceu um profissional exemplar, alguém que quis mostrar a toda a gente que estava diferente. Foi um processo muito partilhado, muito cauteloso, mas, ao mesmo tempo, um processo que combinava muitas áreas: não só a recuperação do homem, mas também a recuperação do atleta. Conhecendo o impacto mediático que teria, tudo isso foi muito bem gerido. Independentemente daquilo que aconteça no futuro, fizemos um trabalho fantástico do ponto de vista humano, desportivo, da comunicação, da gestão das expectativas… e, felizmente, o Adel é Campeão, ajudou-nos em momentos importantes – inclusive foi titular num dos jogos – e o verdadeiro Adel está de volta.

É um jogador com o qual o Benfica conta no futuro?

Vamos ver. Hoje em dia está integrado no plantel, tem condições para continuar, mas, mais uma vez, mais importante do que falar no futuro é aquilo que conseguimos com o Adel. Hoje em dia, o mundo já olha novamente para ele de uma forma positiva e não de uma forma negativa como olhava até aqui.

Yuri Ribeiro

Há alguma perspetiva de regresso de jogadores emprestados?

Nós procuramos, desde a época passada, acompanhar de forma exaustiva os jogadores emprestados. O Lourenço Coelho tem-nos ajudado muito nesse trabalho, no acompanhamento institucional com os clubes. Eu próprio tenho o cuidado de, pontualmente, contactar com os jogadores para saber como é que eles estão e, para além disso, fazemos todo o trabalho de acompanhamento de jogos, estatísticas, vídeos. Hoje em dia sabemos perfeitamente o número de jogos que os jogadores fazem, a intervenção que tiveram nos clubes, como é que estão fisicamente, tudo isso. No ano passado, o Yuri [Ribeiro] regressou de um empréstimo para fazer parte da equipa principal, este ano veremos se acontece com algum dos outros jogadores emprestados. O importante é toda a gente sentir que, muitas vezes, o empréstimo é um passo ao lado para poder regressar ao Benfica. Daí termos de ser muito cuidadosos com os clubes que escolhemos, com o enquadramento que têm e depois com o acompanhamento que fazemos.

Pedro Pereira saiu do Benfica com alguma desilusão?

O Pedro é um miúdo, tem 21 anos. É um jogador que tem um passado assinalável nas camadas jovens das seleções e até do Benfica. Este ano jogou no Génova – creio que fez cerca de 25 jogos, 12/13 a titular, o que para um miúdo de 21 anos, num campeonato tão exigente como o italiano, são dados interessantes –, mas temos de compreender que um dos obreiros da Reconquista se chama André Almeida, que é um líder. Depois temos também a questão do Tyronne [Ebuehi], que no dia 1 de julho vai estar a 100% para, finalmente, poder mostrar por que o contratámos. Temos duas pérolas do Seixal – Tomás Tavares e João Ferreira – que também ocupam essa posição e temos ainda o Alex Pinto. Por isso, uma coisa o Pedro Pereira e todos os outros emprestados podem ter a certeza: nós sabemos o que eles estão a fazer e contam para o futuro do Benfica.

Tiago Pinto

Este ano o mote foi a Reconquista. Já há mote para a próxima época?

No ano passado, a forma como surgiu a expressão “Reconquista” foi uma coisa muito partilhada. Lembro-me de uma conversa com o doutor Domingos [Soares de Oliveira] – inclusive acabámos a ver um discurso do Churchill –, lembro-me de um colega do departamento de Marketing que usava muito a expressão “conquista”, lembro-me da forma como eu, o Ricardo [Lemos] e o Bruno [Sá] íamos preparando a pré-época e as coisas que comentávamos, e houve um momento em que tudo isso se juntou. A palavra quase que surgiu por agregação destas ideias todas. Eu quero repetir este modelo. Ou seja, agora vamos todos de férias, vamos limpar a cabeça e, quando voltarmos, vamos todos discutir isto. Gostava que houvesse uma palavra que fosse outra vez apropriada por todo o Clube, para todo o Clube sentir que o que está por detrás dessa palavra é mais do que uma junção de letras. Foi isso que aconteceu este ano e é isso que vai acontecer na próxima época. Só assim é que faz sentido.

Tiago Pinto

Ainda se está a festejar ou já se prepara afincadamente a próxima temporada?

Devo confessar que festejei muito. Fiquei muito feliz. Estou satisfeito, lembro-me todos os dias que o Benfica é Campeão, mas já estou completamente ligado ao planeamento da próxima época, às reestruturações que temos de fazer em cada um dos departamentos, ao planeamento dos 15 dias que vamos ter nos Estados Unidos, à receção dos jogadores, que será nos dias 1 e 2 de julho, à bateria de exames médicos que vão ser feitos nesse dia, à escala dos testes físicos que têm de se fazer, à prova dos fatos e das roupas que têm de estar prontas no dia 14… Por isso, já estou totalmente ligado ao 38.

Eusébio Cup

Em relação à pré-epoca, a realização da Eusébio Cup ainda está em aberto?

Ainda está em aberto. Há já algum tempo que não fazemos um jogo de pré-época no Estádio da Luz, até pelas contingências de jogarmos a ICC, mas este ano vamos jogar. Dia 10 de julho vamos ter um jogo em casa, o primeiro, e vamos ver o que é que vamos fazer. É importante compreender-se que a Eusébio Cup é uma marca do Benfica, que respeita o maior símbolo desportivo da história do Clube e, como tal, ou se faz com a dignidade que o Eusébio merecia ou não se faz. Sabemos que os adeptos querem, nós também queremos e vamos tentar que as coisas funcionem. 

Benfica Campeão Nacional

Vamos às perguntas rápidas… Qual foi o dia mais longo que já teve no Benfica?

Houve dois dias que me custaram muito: um foi o dia do despedimento do Rui Vitória – um dia que não sei quantas horas teve; e o outro foi o dia do jogo com o Santa Clara [no Estádio da Luz]. Foi muito difícil para mim, nunca vi os segundos andarem tão devagar como nesse dia.

E o dia mais triste?

O dia mais triste está sempre associado a derrotas. Desde que estou no futebol, os dois dias mais tristes que tive foi a derrota em casa com o FC Porto no ano passado, com um golo do Herrera, e o 0-5 em Basileia.

E o dia mais feliz?

Custou muito a passar [jogo com o Santa Clara], mas quando o árbitro apitou foi, claramente, o dia mais feliz da minha vida.

Benfica-Portimonense

A maior surpresa?

O balneário do Benfica. Antes de vir para aqui tinha uma determinada ideia sobre os jogadores e sobre o estrelato, mas conhecê-los, trabalhar com eles e perceber que, para além de grandes jogadores, são seres humanos fantásticos, miúdos e homens incríveis foi, honestamente, uma surpresa.

Alguma deceção?

A deceção não tem tanto a ver com o que vivemos, mas com o que se fala daquilo que nós vivemos. Quem vem das modalidades tem uma cultura desportiva muito acentuada – o respeito pelo adversário, o desporto pelo desporto, o gostar de todos os desportos – e no futebol, o lado mediático, do meu ponto de vista – e eu se calhar não tinha essa noção – está demasiado conspurcado, não sei se é o termo correto. Nesse sentido, foi uma deceção. Fazemos tanta coisa bem, fazemos tanta coisa bonita, e acabamos por estar permanentemente a falar e a dar importância a coisas que não a têm. 

Tiago Pinto

Voltando um bocadinho atrás, muitas vezes a desculpa é a arbitragem para esconder outras falhas…

Isso é uma das coisas que aprendi com o Presidente. Uma das vezes em que eu tentei justificar uma derrota nas modalidades com um erro de arbitragem, o Presidente disse-me “isso é meio caminho andado para voltares a perder”. É uma das coisas que temos de mudar no futebol português. Fazemos todos parte da mesma indústria, os clubes, a Imprensa. Quanto mais desvalorizarmos o nosso rival e os nossos competidores, mais nos estamos a desvalorizar a nós próprios. Não é normal um país tão pequeno ter alguns dos melhores jogadores do mundo, alguns dos melhores treinadores do mundo, algumas das melhores academias do mundo, seleções com grandes resultados. Há uns anos, havia um ministro da educação que defendia que devia haver um pacto para a educação. Ou seja, os partidos deviam unir-se e fazer um pacto e durante 20 anos cumprir esse pacto, independentemente dos governos. Eu acho que no futebol podíamos fazer o mesmo. Imprensa, clubes, Liga, Federação. Se calhar estou a ser ingénuo, mas isso compete-nos a todos.

Tiago Pinto

Acha que isso é possível?

Acho que é possível. O futebol português é mesmo algo muito valioso em termos económicos e sociais. O futebol faz mais por Portugal do que qualquer outra atividade económica ou social. E vai haver um momento – e eu gostava que não fosse um momento tão negativo que nos obrigasse a mudar – em que toda a gente pense e sinta que precisamos de mudar. Aí, os clubes grandes, os pequenos, as instituições, os órgãos de comunicação social, todos teremos de fazer esse pacto. Se calhar é um pacto que começa com cinco ou seis linhas de não agressão e depois, a partir daí, constrói-se o resto.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.