O “maestro” Rui Costa celebra 47 anos

O Maestro, como ficou conhecido ao longo da sua carreira de futebolista, completa nesta sexta-feira 47 anos. No dia 29 de março de 1972 nascia Rui Costa, que o tempo e o percurso profissional haveriam de tornar figura incontornável do Sport Lisboa e Benfica, primeiro como jogador, depois como dirigente.

O ponto final numa carreira de referência aconteceu em 2007/08, época em que decidiu pendurar as botas. Do campo para os gabinetes, passou então a administrador da SAD encarnada. Porém, a ligação ao clube do coração começou muitos anos antes, no início da década de 1980.

Nascido e criado na Damaia, freguesia da Amadora, não muito longe do antigo Estádio da Luz, Rui Costa começou a dar os primeiros pontapés na bola na rua e nos campos do clube do bairro, o Damaia Ginásio Clube.

Com oito anos chegou aos Sub-10 do Benfica, emblema que só deixaria 14 anos depois, com uma passagem por Fafe por empréstimo de uma temporada, logo regressando à casa-mãe.

Destacou-se nos escalões de formação das águias, foi internacional pelas seleções jovens de Portugal e cotou-se como um dos heróis do Mundial de Juniores em Lisboa. Em 1991, o Campeonato do Mundo de Sub-20 decorreu em Portugal, competição em que a equipa das Quinas lutava pela revalidação do título. Rui Costa foi sempre titular – com exceção da 3.ª jornada da fase de grupos – e pertenceu-lhe o golo decisivo que colocou Portugal na final.

Rui Costa

O festejo no Mundial de Sub-20 era um prenúncio

Mas a história de Rui Costa no Mundial de Lisboa foi ainda mais rica em protagonismo… No dia 30 de junho de 1991, o calor apareceu na final entre Portugal e Brasil. Estádio da Luz a rebentar pelas costuras no apoio à equipa das Quinas, mas no relvado um jogo muito tático e um nó que teimava em não ser desatado. No final do tempo regulamentar e do prolongamento, o nulo mantinha-se e a decisão do título teria de ser feita através de grandes penalidades.

Este dia marcou o primeiro brilho de um dos mais geniais jogadores que o antigo Estádio da Luz viu. Portugal vencia no desempate por penáltis por 3-2 e Rui Costa dirigiu-se para a bola. Colocou-a a preceito, olhou para a baliza, concentrou-se, visualizou o local para onde enviaria o esférico e correu confiante… Quando o pé direito tocou na bola foi logo percetível que esta só pararia no fundo das redes. Assim foi! Seguiu-se uma explosão de alegria nas bancadas que contagiou o aniversariante. A corrida de Rui Costa à volta do relvado, perseguido pelos colegas de seleção, é épica e inesquecível…

Após o Mundial de Sub-20 regressou ao Benfica – estivera emprestado ao Fafe – e foi aposta de Eriksson. A estreia de águia ao peito aconteceu a 22 de setembro de 1991 nesse mesmo Estádio da Luz. Jogou 20 minutos no 2-2 diante do Estoril. Foi o primeiro de 178 jogos oficiais pelos encarnados.

Rui Costa

Médio-ofensivo, um 10 à antiga, Rui Costa brindou os amantes do futebol com verdadeiros recitais de como tratar a bola. Sempre com o esférico colado aos pés – preferencialmente o direito – o Maestro liderou a orquestra e o seu futebol era música para quem observava tamanho talento, tanto nos clubes que representou como na Seleção A de Portugal, por quem fez 94 partidas e apontou 26 golos.

Depois da estreia, faltava o golo. No dia 10 de novembro, diante do Famalicão, o centrocampista foi titular e inaugurou o marcador aos 6’. As águias venceriam, por 2-1. Terminou a época de estreia com quatro golos em 32 jogos realizados.

Juntou-lhe mais duas temporadas de alto nível exibicional e com números a acompanhar. Conquistou um Campeonato Nacional e uma Taça de Portugal, e viajou para Itália.

Rui Costa

Inesquecível para os tiffosi da Fiorentina e Milan

Depois do Benfica, esteve mais de 10 anos em Itália, representando Fiorentina e Milan. Na turma viola destacou-se, foi aclamado e adorado e fez com Batistuta uma das duplas mais temíveis do futebol transalpino e europeu. Saiu de Florença com duas Taças de Itália e uma Supertaça, e 50 golos em cerca de 280 jogos. Rumou mais a norte, a Milão.

Pelos rossoneri, assumiu o papel de comandante do miolo e ajudou o clube a ganhar uma Serie A, uma Taça de Itália, uma Supertaça, uma Liga dos Campeões e uma Supertaça Europeia. Em 2004/05 esteve presente na final imprópria para cardíacos com o Liverpool. Em Istambul, os italianos venciam por 3-0 ao intervalo, mas os ingleses empataram e levaram o jogo para prolongamento primeiro e para as grandes penalidades depois. O guarda-redes do Liverpool foi herói na baliza e o título viajou para a cidade dos Beatles. Rui Costa perdia a oportunidade de conquistar a segunda Champions do currículo.

Rui Costa

O bom filho à casa torna

Com o objetivo de terminar a carreira no clube do seu coração, Rui Costa regressou à casa de partida, o mesmo que dizer ao Benfica. Fez mais duas temporadas pelas águias e terminou em beleza. Na época de encerramento (2007/08), o 10 teve o melhor registo pelo Clube: 10 golos em 45 jogos.

O último jogo com o Manto Sagrado foi diante do V. Setúbal (3-0). A 11 de maio de 2008, Rui Costa foi titular e saiu aos 86’ para a ovação. Das bancadas ao relvado, emoção, lágrimas, sorrisos, agradecimento, gratidão e uma tarja… “10: obrigado, Rui!” O Maestro tinha voltado para isto e ninguém merecia mais esta sentida homenagem do que ele. Apareceu no antigo, saiu de cena no novo, mas a casa será sempre a mesma: o Estádio da Luz.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.