Bruno Lage: “Jogo importante mas não decisivo”

Bruno Lage, treinador do Benfica, anteviu, em conferência de Imprensa realizada no Caixa Futebol Campus, a partida da 24.ª jornada da Liga NOS diante do FC Porto. O clássico tem o apito inicial marcado para as 20h30 de sábado, no Estádio do Dragão.

Na Taça da Liga, o jogo era a eliminar. Agora não é eliminar, mas é um jogo muito importante. Espera um encontro diferente?

Sim, trata-se de um jogo muito importante, mas não é decisivo. Decisivo é ser regular e nós temos sido nos últimos dois meses, e temos de continuar a ser. Vencemos na primeira volta, ainda com o míster Rui Vitória a liderar, mas não conseguimos ser regulares e por isso é que o adversário está na frente por um ponto. Estamos em contagem decrescente para o fim e há menos pontos em disputa, mas não é decisivo.

Sérgio Conceição lançou um onze provável do Benfica. Que onze considera que o FC Porto vai apresentar? Tem dúvidas em relação a Marega?

Mais importante do que estar aqui a adivinhar o onze, é pensar na dinâmica do FC Porto, independentemente do sistema. Jogou connosco em 4x4x2 na Taça da Liga; no primeiro jogo do campeonato jogou de forma diferente. Tem alternado entre o 4x4x2 e o 4x3x3. A dinâmica é diferente à direita ou à esquerda. Perceber onde o Herrera pode jogar… como segundo médio tem um comportamento, como terceiro médio tem outro. É uma equipa coletivamente muito forte, com uma organização defensiva muito boa e em termos ofensivos também. Tem um ataque à profundidade muito bom, quer por parte dos avançados, quer por parte dos médios. Estamos preparados, temos os vários cenários em mente. Não interessa fazer a previsão de um onze, mas sim analisar as dinâmicas e as alterações feitas ao longo do jogo, porque podem ser determinantes. Há alterações que mexem nas dinâmicas e outras que mexem no sistema.

Bruno Lage

Que opinião tem de Sérgio Conceição?

Trata-se do Campeão Nacional, e tem uma carreira na 1.ª Divisão e em termos internacionais. Por si só está apresentado. Eu ainda estou a começar.

Sentiu alguma vibração especial nos jogadores?

Diga-me um jogo que não tenha sido decisivo desde a minha entrada? Não há nenhum. É manter o equilíbrio, tentar encontrar o nosso rumo e sermos consistentes porque é isso que nos faz ganhar campeonatos.

Luís Filipe Vieira disse que o Benfica tem hoje uma das equipas mais jovens. Esses jovens estão preparados para a pressão que é jogar no Estádio do Dragão?

Independentemente de jogarmos ou não no Dragão, se contabilizarmos os campeonatos de Iniciados, Juvenis, Juniores e até a equipa B, são jogadores que já defrontaram o FC Porto umas 50 ou 60 vezes. Têm jogos internacionais pelas Seleções Nacionais e pelo Clube. Independentemente de terem 19, 20 ou 21 anos, são jovens com uma maturidade enorme. O que fizemos recentemente na Turquia foi uma boa resposta ao jogo que aí vem. Sinto tudo tranquilo, normal e estão mais do que preparados para jogar este jogo.

Bruno Lage

As duas equipas vêm de bons resultados. Ainda assim, quem acha que chega mais forte ao clássico?

Ambas as equipas vão jogar para ganhar. Dentro de campo, quem for melhor, ganha os três pontos.

Qual é o maior receio que tem por jogar no Estádio do Dragão?

O receio que tenho de jogar qualquer jogo é sempre o mesmo: não colocarmos em prática o que fazemos no treino. Jogando em casa ou fora, seja qual for o adversário, não colocar em prática o que treinamos é o meu maior receio. Também gosto de falar de treino e vou fazer aqui um parêntesis. Há o treino de aquisição em que estamos a treinar algo para evoluir; outra coisa são as indicações que vamos tendo. Após o último jogo, falei-vos na decisão de colocar o Samaris.

Nunca vamos ter tempo suficiente para treinar, queremos sempre mais para a equipa evoluir. Não tínhamos o Conti, tínhamos um central, temos de tomar decisões e optámos pelo Samaris, pela experiência que tem de jogar a central; depois tivemos de perceber a posição em que jogaria, à direita ou à esquerda, optámos pela esquerda; mantivemos o Conti na convocatória porque do outro lado estão treinadores inteligentes que podem perceber as dinâmicas defensivas. O Rúben Dias é dos melhores no ataque à profundidade. O Samaris como é médio, tem outra forma de atacar a profundidade e ataca logo a bola. Dali, o Chaves teve uma oportunidade. Temos dois jogadores que podem ligar bem nestas circunstâncias, mas para defenderem bem em conjunto é preciso tempo. Acredito que as coisas se constroem e que as equipas e os jogadores evoluem a treinar.

Jardel já está disponível? Vai manter Samaris ou vai fazer regressar o Ferro?

O Jardel não está disponível. Sobre a equipa? Só amanha.

Marega pode regressar. Considera que, com ele no onze, o FC Porto fica mais previsível ou é mais fácil anular o FC Porto sem Marega?

Se jogar Marega, é um jogador extraordinário no ataque à profundidade, e o FC Porto é muito perigoso nisso; se não, joga Herrera que também é fortíssimo nesse momento. Partem é de posições diferentes. Mais importante é perceber o que vale o FC Porto em termos de jogo coletivo e das suas dinâmicas.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.