O Chalana faz hoje 60 anos

Pequeno Genial ou Chalanix. Seja qual for o vocábulo utilizado, sabemos que falamos do Príncipe do Benfica, do incontornável Fernando Chalana, que hoje celebra 60 anos de vida e por isso está de parabéns!

Natural do Barreiro (10 de fevereiro de 1959), Chalana era oriundo de uma família humilde, mas os pés do Pequeno Genial nasceram ricos em qualidade futebolística. A sua ligação ao Benfica, essa, já o era antes de o ser. O Príncipe nasce um ano antes da chegada do Rei Eusébio ao Clube; e na década do seu nascimento – anos 50 – foi inaugurado o Estádio da Luz, onde, anos mais tarde, viria a espalhar magia de águia ao peito.

Ainda adolescente juntou o seu nome a outros provenientes desta cidade da Margem Sul e que deram cartas no futebol.

Depois de José Augusto e Adolfo, veio o denominado Grupo do Barreiro com Bento, Carlos Manuel, Araújo, Zé Luís, Diamantino, Oliveira e, claro, Chalana.

Porém, a história que liga Chalanix ao Benfica começou uns anos antes…

Chalana

A chegada ao Benfica

Decorriam os anos 1974/1975 e Portugal estava em convulsão. Depois da Revolução de 25 de abril de 1974, seguiu-se o Verão Quente de 75, o PREC e a chegada de milhares de portugueses que abandonavam as antigas colónias de África. No futebol, havia um miúdo a dar nas vistas…

Ângelo – antigo Bicampeão Europeu pelas águias – ouve falar de um jovem de 16 anos. Foi ao Barreiro e consigo levou o treinador do Benfica à altura, Pavic, para assistir ao jogo-treino entre o Barreirense e o Oriental. No primeiro lance, Chalana arrancou com a bola, deixou uma série de adversários para trás e foi golo. Pavic levantou-se e exclamou: “Contratem-no!” Assim foi… até 1984, ano em que brilhou no Campeonato da Europa que teve lugar em França e seguiu para Bordéus.

Chegou ainda júnior ao Clube, mas a qualidade do seu futebol era já inquestionável. O Benfica não o quis perder de vista. Do Barreiro ao Estádio da Luz distavam alguns quilómetros e uma imensidão de água chamada Rio Tejo. Chalana não se atrapalhou e colocou em prática a sua parafernália de fintas, como partilhou ao programa “Vitórias e Património” da BTV.

“A primeira vez que fui ao Estádio da Luz foi fácil. Fui com o meu pai. Ia de autocarro do Barreiro até ao barco; seguia até ao Cais do Sodré; apanhava o metro até ao Jardim Zoológico; autocarro até à Rua dos Soeiros; subia a rua e depois descia até ao Estádio. No segundo treino fui sozinho”, disse.

Chalana

A estreia com o Manto Sagrado

O Pequeno Genial estava nos Juniores e Pavic, treinador responsável pela sua chegada à Luz, já não morava no Clube. O treinador era Mário Wilson. A 6 de março de 1976, o Benfica recebeu o Farense para o Campeonato Nacional e ao intervalo já vencia, por 3-0. O técnico deu a primeira oportunidade ao jovem que havia chegado do Barreiro. Quando pisou o relvado da Catedral pela primeira vez tinha 17 anos e 25 dias. Tornou-se, imediatamente, no mais novo jogador de sempre a representar a equipa sénior dos encarnados. Nesse ano foi duplamente Campeão Nacional: pelos Juniores e pelos Seniores. Estava dado o primeiro passo para uma carreira repleta de altos voos.

Chalana

A consagração de águia ao peito

A cada época que passava, Chalana confirmava, de forma ainda mais vincada, a qualidade do seu futebol. O Benfica e os Benfiquistas agradeciam. Aos domingos, de 15 em 15 dias, as bancadas enchiam para ver o jogo de cintura, a finta de corpo, os arranques vertiginosos pela ala, os golos, os festejos. Tudo servia de pretexto para mais uma romaria ao Estádio da Luz.

Logo em 1976/77, primeira temporada como jogador do plantel sénior, notabilizou-se com o seu drible, velocidade e capacidade de deixar os colegas na cara do golo. Foi sempre titular e rapidamente chegou a internacional pela Seleção Nacional. Depois de espalhar magia em Portugal, e após um fantástico Europeu que deixou a equipa das Quinas no 3.º lugar, França chamou-o. Em 1984/85 ia para o Bordéus, mas era um “até já”…

Em 1987/88 regressou ao Clube do seu coração. De águia ao peito fez mais de 300 jogos, marcou cerca de 50 golos, conquistou seis Campeonatos Nacionais, duas Taças de Portugal e duas Supertaças.

Para além de Benfica e Bordéus, Chalana representou, ainda, Belenenses e Estrela da Amadora, clube onde terminou a carreira em 1991/92.

chalana-portugal-urss-1983-new_thumbnail

A estreia pela Seleção

Meses depois de se estrear pelos Seniores do Benfica chegou a vez de o fazer pela equipa das Quinas. Era ainda júnior quando o treinador nacional desse escalão, Peres Bandeira, lhe deu a boa nova.

“Nessa altura estava na Seleção de Juniores, com o selecionador Peres Bandeira. Passados dois ou três dias, ele veio ter comigo e disse-me que ia treinar com os Seniores no Estádio da Luz”, revelou ao podcast “Futebol ao Ataque”.

A minha primeira internacionalização foi no Estádio da Luz, com a Dinamarca. Pensava que ia ser suplente ou ia para a bancada. Tinha os meus 17 anos. Foi com grande alegria que fiz o jogo de princípio e ganhámos 1-0”, recordou Fernando Chalana.

Chalana

Prémio Carreira na Gala do Benfica

Em 2012, o Benfica reconheceu tudo o que Fernando Albino de Sousa Chalana deu ao Clube como jogador e, mais tarde, como treinador ao agraciá-lo com o galardão Cosme Damião para o Prémio Carreira.

Visivelmente emocionado, o Pequeno Genial subiu a palco para receber o prémio das mãos do presidente, Luís Filipe Vieira, e de outro nome consagrado da centenária História do Clube, Mário Coluna.

Porém, a grande surpresa foi Paulo Futre. O antigo jogador marcou presença no evento, fez questão de agradecer a Chalana por ter sido o futebolista que foi e ajoelhou-se a seus pés como sinal de respeito, tal como prometera uns dias antes num programa da TVI.

“Quando estava no Sporting, apanhava o último barco para o Montijo, às 22h00, e a travessia demorava uma hora. Nessa altura ninguém ia no porão e eu tentava imitar o jogo de cintura de Chalana. Nunca houve, não há, nem haverá ninguém no mundo com a finta de corpo e com o jogo de cintura de Chalana. Eu só pensava em ser como o Chalana e tentei de tudo para ser como ele ao treinar no porão do barco que me levava para o Montijo. Ele era a minha referência”, explicou Futre perante risos da plateia e de Chalana, que tinha o coração cheio com tal partilha.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.