“Nem City de Guardiola ou Liverpool de Klopp venceria a dupla Xistra e Veríssimo”

O vice-presidente do Sport Lisboa e Benfica Sílvio Cervan escreveu, na edição desta sexta-feira do jornal “A Bola”, a sua habitual coluna de opinião. Corrosivo, o dirigente encarnado teceu rasgadas críticas a Carlos Xistra e a Fábio Veríssimo, árbitro e VAR do clássico da Taça da Liga com o FC Porto, comparando-os a árbitros que passaram no futebol português nos anos 80 e 90.

Carlos Xistra e Fábio Veríssimo estiveram intransponíveis. Nem o melhor City de Guardiola ou o melhor Liverpool de Klopp os venciam. Uma dupla muito forte que, conjuntamente com quem nomeia e o delegado da Liga, constitui uma quadrilha histórica”, começou por considerar.

“A atuação do ex-árbitro e do ex-futuro árbitro, na passada terça-feira, não tinham importância alguma, não fossem uma peça do puzzle concertado e permanente de viciação dos resultados nas provas nacionais”, recordou Sílvio Cervan na sua coluna de opinião.

O vice-presidente do Benfica analisou, depois, três dos quatro golos do jogo, apontando situações em que o Clube da Luz se sentiu espoliado.

“O primeiro golo é precedido de falta sobre Gabriel, o segundo é precedido de falta de Marega sobre Grimaldo, o golo do empate é válido e não há fora de jogo, pois a única dúvida do VARíssimo foi a correção do golo limpo do Rafa. O árbitro viu mão, mas todos os adeptos viram mãozinhas na arbitragem”, analisou.

Classico

A atuação desta dupla maravilhosa deixa Donato Ramos, Calheiros, Paulo Costa, José Guímaro, Martins dos Santos e tantos outros protagonistas desse período glorioso da arbitragem nacional roídos de inveja”, acrescentou.

Da arbitragem para o Benfica, uma palavra elogiosa a Bruno Lage, treinador da equipa principal do Benfica.

Sentimos um Benfica em crescimento, com margem para melhorar. Excelente, porque não era fácil, esteve Bruno Lage na análise ao jogo e às suas incidências quer na flash [interview] quer na conferência de Imprensa. Categoria de quem tem categoria, mesmo na derrota”, reconheceu.

O jogo foi a cereja no topo do bolo na carreira de Carlos Xistra, que o deve arredar de qualquer função arbitral num mundo onde habite alguém para lá do Ray Charles”, concluiu Sílvio Cervan.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.