Luisão deu palestra sobre liderança para a revista “Exame”

Luisão marcou presença numa palestra sobre liderança, evento organizado pela revista “Exame”. O antigo capitão do Benfica partilhou algumas histórias de balneário, revelou as inspirações ao longo da sua vida, apontou as principais características que devem nortear um líder e falou da relação com o Presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e com outros capitães das águias com quem se cruzou.

As principais características de um líder

“Creio que para se ser líder é algo que pode ser aprendido. Com tanto conceito e tecnologia, com quem escreveu sobre o assunto, há vários conceitos que podem ser avaliados. Mas temos de ter cuidado porque há a dificuldade de tomar a decisão no momento certo, ter o instinto de avaliar. O futebol é assim. Às vezes decidia, chegava a casa e ficava preocupado com a repercussão que isso poderia ter. Muitas vezes tinha de decidir no momento, mas a mim não me convinha porque as pessoas não entendiam. Estamos a falar de um Clube com milhões de adeptos.”

“Há muitas características que se podem encontrar num líder, mas há uma que trouxe desde a minha infância: carácter. Um líder é um guardião de valores. Não podemos renunciar aos valores. Lembro-me do meu pai, que trabalhava no hospital, saía às 16h00 e andava cinco a 10 quilómetros com uma mala nas costas. Para chegar ao campo havia uma reta e ele ficava no fim, um pouco longe do campo, que era onde conseguíamos ver quando é que ele virava a esquina. Via muitos miúdos a correr na sua direção. Nessa época eu já era um privilegiado porque pude aprender o que era liderança. As crianças respeitavam o que ele dizia. Sem me aperceber, já estava a ser preparado para ser o que fui no futuro.”

“O principal [aspeto para um líder ser respeitado e reconhecido] é o autoconhecimento. Há um ditado de que gosto e que é o seguinte: ‘abraça o seu inimigo e eu abracei-me’. Antes de decidir, tinha de me autoconhecer e perceber se estava a fazer a coisa certa, se tinha essa propriedade para falar com o meu colega de equipa ou com o treinador. Esta foi a primeira preocupação que fiz questão de ter; a segunda, que é muito perigoso no futebol, é o leva e traz. O capitão trabalha no limite. É preciso passar a confiança, até para os que não estão a jogar. Tentei passar isso através do carinho. Sempre tentei ter carinho por todos. Muitas vezes discutia dentro de campo, mas depois do jogo abraçava o meu companheiro de equipa. Estas atitudes passaram uma credibilidade grande, tanto a tratar situações do interesse dos jogadores como do treinador.”

A relação com outros capitães do Benfica

“Quando cheguei [ao Benfica] havia o Hélder e depois o Simão, que me deu uma aula de humildade. Deu a oportunidade de que aparecessem outros líderes. Quando ele era capitão eu já era resmungão. O [jornal] ‘Record’ fez uma capa a dizer ‘capitão sem braçadeira’ e fiquei preocupado com a forma como ele iria reagir. Mas ele disse que não havia problema algum, que éramos dois a lutar pelo mesmo. E depois foi o Nuno Gomes, uma pessoa espetacular, cuja palavra tem muito valor. Fui também um privilegiado por trabalhar com ele.”

“Quando cheguei se calhar era muito bonzinho. Queria ter um entendimento de onde estava a chegar. As críticas apareceram e tive de saber conviver com elas. Tive problemas com o Nuno Gomes e ele disse que foi aí que percebeu quem era o Luisão. Foi aí que saí da minha zona de conforto, para fazer coisas diferentes.”

Ligação forte com o Clube

“Saí do Cruzeiro para vir para o Benfica, mas já tinha uma história de seleção brasileira, tinha sido campeão pelo Cruzeiro. Confesso que, quando cheguei a Portugal e ao Benfica, pensei que fosse de passagem. Nunca imaginei que essa ligação se tornaria tão forte. Tinha noção da grandeza do Benfica, mas não imaginava que fosse imenso. Só quando se está lá é que se percebe o que é o Benfica.”

Uma referência para os jovens no Seixal

“Separo a minha carreia em duas etapas. Primeiro com jogadores mais experientes, ‘casca grossa’, e depois quando os mais jovens começaram a subir. Pensei se deveria ter a mesma atitude. Com os mais jovens mudei um pouco e apostei na disciplina. Eu não admitia que se entrasse no Seixal e não se cumprimentasse a pessoa que estava a servir ou não se entregassem os talheres como receberam. Isso pode mudar a cultura do Clube, que é o respeito e a ética. Os mais jovens precisam de ter isso. Nunca tive esse problema. Primeiro está o interesse do Benfica e o propósito fundamental do Clube.”

Capitão dos momentos difíceis

“Ao longo da minha carreira, sempre gostei de ser o capitão dos momentos difíceis. Desfrutava dos momentos fáceis, mas gostava dos momentos difíceis. Na altura do Trapattoni, perdemos um jogo, dei uma entrevista e disse, de forma espontânea: ‘vamos ver quem vai festejar em maio’. E não é que resultou? O líder, no momento difícil da equipa, tem de tirar o foco da cobrança que se está a fazer à equipa e colocá-la a apontar para si.”

As inspirações

“Tenho pessoas de quem gosto muito. Considero o Presidente do Benfica um líder exemplar. Ele desenha um objetivo na sua cabeça e consegue que as pessoas acreditem. Aconteceu comigo e hoje estou aqui. Outra pessoa de quem gosto muito é o treinador da seleção brasileira de voleibol, o Bernardino. A liderança dele é espetacular. Também gosto do Barack Obama, da forma como se comporta, da serenidade e da sua linguagem corporal. Há vários e vamos aprendendo um pouco de cada um.”

Quatro palavras: determinação, humildade, compromisso e sempre ambiciosos

“Depois do ano em que perdemos tudo aos 90’+2’, quando regressámos a pressão era muito grande. E o Presidente entregou-me um papel. Se conseguisse colocar estas quatro palavras no balneário íamos ser campeões. Isto à quarta jornada. Quando estamos envolvidos num propósito tudo fica fácil. Eu coloquei este papel à frente da minha cama e comecei a desenhar isso na minha cabeça. Quando fomos campeões, devolvi o papel. É preciso estarmos focados no nosso propósito.”

A exigência no Benfica

“A exigência no Benfica é a cada quarta-feira e a cada domingo. O jogo pode estar a correr bem, mas basta falhar um passe para tudo ir por água abaixo. E depois tínhamos de nos reestruturar porque havia jogo uns dias depois. Isso pode ajudar-me no pós-carreira. O futebol mexe com paixões e eu entendo o lado do adepto e a pressão que é colocada no futebol.”

“Sou amigo do Jardel. Ele tem uma história espetacular. Quando chegou ao Benfica teve de esperar o seu tempo para jogar, não é fácil. Jogava eu e o Garay no Benfica, tínhamos uma grande sintonia e estávamos num momento muito bom. Ele soube esperar. Agora, com muito mérito, após a minha saída, tornou-se o capitão da equipa. A exigência ao Jardel pode ser grande, mas eu sei como é que ele lidera. Não é igual a mim dentro de campo, mas estou confortável porque sei que tem todos os atributos.”

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.