Rui Vitória quer “frieza” na hora da finalização

Rui Vitória projetou a receção ao Moreirense FC, agendada para esta sexta-feira (20h30, no Estádio da Luz), lembrando o que falhou ao Benfica nos dois últimos jogos: o converter em golo as oportunidades criadas.

Uma antevisão a este Moreirense. Que equipa é esta?

Primeiro, dar os parabéns ao Moreirense pelos seus 80 anos. Uma equipa que se tem vindo a solidificar na I Liga, que tem feito um belíssimo trabalho com um presidente já há muitos anos. É um clube que tem vindo a fazer uma época dentro daquilo que era previsível – com treinador e jogadores novos – e tem vindo a melhorar gradualmente. Uma equipa bem organizada pelo Ivo, com jogadores de qualidade, que joga num 4x3x3, que às vezes inverte o triângulo do meio-campo, tem o Nené que tem muito golo com ele. É uma equipa muito organizada, num retrato muito simplista. Interessa-nos o nosso jogo e exibição, e um resultado muito positivo que queremos que aconteça amanhã.

O tema do Benfica esta semana é a revelação daquela gravação sobre uma eventual saída para o Everton. Acha que sai mais valorizado ou desvalorizado de todo este episódio?

Fundamentalmente, não me preocupa, desde que entrei no Benfica, eventuais sondagens, possibilidades e contactos. As pessoas que trabalham comigo sabem a minha forma de pensar. Sou e gosto de ser discreto. Desde que estou no Benfica nunca quis sair daqui, nem quero. É evidente que na altura a que isso se referia – com um Bicampeonato, um apuramento para a Liga dos Campeões, representar um Clube desta natureza – possibilidades e contactos existiam. Mas as pessoas só chegam ao pé de mim quando há algo em concreto. A minha forma de trabalhar é assim. O que me move não são só as questões financeiras. É muito mais do que isso: é envolvimento, confiança e o projeto para o futuro. É evidente que, essa possibilidade, se surgiu, nem passou disso. O que quis foi ficar no Benfica.

Mas soube da proposta?

Soube.

Rui Vitoria

Qual a sua opinião sobre a saída de José Peseiro do Sporting?

Um abraço grande ao José Peseiro. É um amigo, como de uma forma genérica tenho em todo o lado. Nunca é agradável uma situação dessas, mas a qualidade existe e está lá e é um treinador já com prova dadas.

Acha que em Portugal os treinadores portugueses dos clubes acabam por viver em intranquilidade e que não lhes são dadas tantas oportunidades para se mostrarem à frente das equipas? 

O futebol português tem evoluído dentro de uma estabilidade enorme. Isto quer dizer que quando essa estabilidade existe, normalmente existem mais resultados. Mas cada clube tem a sua realidade. O Sporting é um grande clube e quem sou eu para me meter na vida dos outros clubes. Sou defensor que quando se escolhe, escolhe-se por um conjunto de critérios e valores que são importantes para aquela instituição. Neste sentido, acho que a estabilidade tem de ser dada e, normalmente, quando isso acontece o sucesso acontece mais vezes do que o insucesso.

Luís Filipe Vieira diz que não sairá do Benfica sem ser campeão europeu. Sendo que Rui Vitória tem contrato até 2020, sente-se em condições para cumprir esse objetivo?

Deixe-me só completar que o presidente também falou que está a terminar o mandato, candidata-se a mais quatro anos e, se for preciso, a mais dois porque é uma pessoa com essa vitalidade e energia. Estas questões de ser campeão europeu, também sou muito otimista, mas dentro da racionalidade. Tudo isso tem de ser muito bem estruturado, pensado e executado. Nada aparece na nossa vida sem olharmos lá para o fundo e pensarmos que podemos lá chegar. Essa é uma visão que o presidente tem. Há muito trabalho pela frente. Foi dito num contexto presidencial e temporal alargado. Acho que é uma ambição que se pode e tem de ter… mas há muito trabalho para fazer.

Rui Vitoria

Sente que o Benfica é um bocadinho o oásis no meio do deserto nesta aposta na continuidade dos treinadores e neste trabalho encaminhado para a Formação?

Há mais clubes a pensar assim. A realidade do Benfica eu conheço e penso que é o caminho correto. Os clubes portugueses têm de pensar que as armas financeiras não são iguais aos principais clubes europeus, apesar de já haver uma grande aproximação de alguns dos nossos clubes. Onde reside a diferença? Na inteligência, na astúcia, na capacidade de antecipação e na visão que se tem de ter. É aí, pela visão do nosso presidente, que o Benfica é capaz de estar nessa linha de pensamento. Eu penso que é assim que os clubes têm de pensar. A racionalidade tem de estar sempre presente. O Campeonato e a vida de um clube são uma maratona, em que há acelerações e desacelerações, mas onde tem de haver um objetivo de fundo e o Benfica tem-no. Penso que o Benfica está recheado de um futuro risonho se for bem aproveitado. Não digo isto de uma forma leviana, é só olhar para os dados estatísticos e para os jogadores formados que estão nas seleções. Não é preciso fazer um exercício muito prolongado para pensar que uma boa maioria desses jogadores possam estar a nível muito elevado nos próximos anos. Há dois ou três anos, quando olhávamos para um Renato Sanches, para um Rúben Dias – que andavam pelos Sub-19 – se calhar ninguém imaginava. Passam dois/três anos e a vida é diferente. O futuro do Benfica está lá. É preciso ser bem aproveitado e não se perder este rumo que é aquilo que eu acho que o presidente e o Benfica têm feito muito bem.

Sente que há obrigação em mudar de onze – aquele que tem sido o seu onze base – ou de sistema tático?

Amanhã [sexta-feira] vamos ter um jogo diferente do anterior. Sabemos o que fizemos e o que não foi favorável: o último momento de a bola entrar. Às vezes podemos dizer que faltou oportunidade, mas não foi isso que aconteceu. Assumimos claramente que, no último jogo, uma equipa como a nossa tem capacidade para estar a ganhar. No jogo de amanhã os jogadores têm este sentimento de que têm de ganhar. As dinâmicas têm de aparecer. As oportunidades, surgindo, temos de as finalizar. Mais do que a questão do sistema tático, há uma vontade muito grande de ir para dentro do jogo e tentar ser mais frio no momento da finalização, que é o que falhou nos dois últimos jogos.

Rui Vitoria

Ivo Vieira diz que vem à Luz para atacar e ganhar o jogo. Tem a equipa preparada para contrariar essa ideia de jogo?

Acho perfeitamente lógico e positivo que os clubes e as equipas pensem assim. Tem duas observações: uma é de atrevimento e a outra é de reação da nossa parte. Vir ao estádio da Luz, jogar contra uma equipa como o Benfica não é fácil para qualquer treinador. No seu íntimo, Ivo Vieira sabe que não é fácil jogar contra o Benfica, fundamentalmente no seu Estádio. Valorizo essas palavras, acho que é correto e lógico que se digam, mas do outro lado está uma equipa que tem vindo a ter um caudal ofensivo enorme, que aproveitando algumas das oportunidades faz golos, portanto o Ivo [Vieira] sabe que vai ter um jogo bastante difícil e que o Benfica é uma grande equipa. Valorizo, registo e amanhã queremos muito ganhar.

Esclarecimento.

Queria referir-me ao rácio entre épocas em que cá estou e o número de vitórias por épocas. Fundamentalmente, nos últimos anos, fundamentalmente nesta última década. Foi uma má explicação da minha parte e da minha responsabilidade.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.