Benfica será dentro de 15 anos um dos melhores 10 clubes do mundo

benficaTV_DomingosSoaresOliveiraO Benfica de hoje nada tem a ver com o Benfica de há 15 anos, quando Luís Filipe Vieira foi eleito 33.º Presidente da história do Clube. Em entrevista à BTV, Domingos Soares de Oliveira, administrador executivo da SAD e CEO do Grupo, explicou a portentosa transformação, nomeadamente ao nível de infraestruturas, modelo empresarial e organização.

Aquilo que encontrei quando cheguei foi um grupo de pessoas também com muitas dúvidas quanto ao que poderia ser o futuro do Benfica. Não em relação ao Presidente, mas àquilo que tinham sofrido. As pessoas interrogavam-se, havia uma grande desorganização, várias empresas (SAD, Clube, Benfica Estádio…), cada uma com o seu diretor financeiro, vários diretores comerciais… As pessoas sentiam-se um pouco perdidas. O meu papel inicial foi tentar dar-lhes um rumo, mostrar-lhes que havia novos desafios para lançar e conseguir cativar as pessoas para esse projeto. O Presidente fez o seu trabalho, eu fiz o meu e paulatinamente fomos integrando as pessoas que já cá estavam e depois reforçando as equipas com uma série de sangue novo que ainda hoje cá está e do qual me orgulho particularmente“, descreveu Domingos Soares de Oliveira.

“Não quero minimamente beliscar a honra dos profissionais que estavam cá nessa altura, mas trabalhavam muito com ferramentas de alguma forma obsoletas, pouco coordenados em termos de mecanismos de organização, de controlo e de reporte. Muitas vezes a informação obtida era desgarrada. Faltava introduzir uma qualidade diferente na gestão. Muitas das pessoas que encontrei aqui tinham qualidade – estou a lembrar-me do Miguel Bento, da Luísa Ramos, do António Ferreira, apenas para citar alguns exemplos. Tinham claramente qualidade, mas precisavam de outro tipo de empacotamento em termos organizativos para poderem entregar aquilo que esperávamos delas”, contextualizou o CEO do Grupo Benfica.

Luís Filipe Vieira foi o motor da do novo Benfica que se ergueu e robusteceu ao longo dos últimos 15 anos. “Abraçamos os sonhos dele e tentamos transformar esses sonhos em realidade. Muitas coisas aconteceram, desde a criação do Estádio, onde foi um dos poucos a sonhar e teve de enfrentar uma forte oposição interna, passando pela construção do Caixa Futebol Campus, pela aposta na Formação em termos de qualidade de jogadores. A maioria das pessoas dizia que havia outros clubes em Portugal muito mais avançados do que nós, e hoje vê-se o resultado dessa aposta tanto a nível interno como nas seleções nacionais“, comentou Domingos Soares de Oliveira, expondo mais pormenores de uma obra grandiosa idealizada pelo Presidente.

Domingos Soares Oliveira

“O desenvolvimento do Benfica na sua vertente internacional… Há tanta coisa que ele sonhou e que fomos capazes, em conjunto, de implementar, que eu acredito que a Nação Benfiquista deverá estar grata não apenas à capacidade de execução, mas sobretudo a esta ambição quase insaciável que o Presidente foi tendo ao longo destes 15 anos“, enfatizou.

“Um dos primeiros documentos estratégicos que fizemos apontava um caminho para os primeiros cinco anos – na altura não conseguimos estabelecer planos a dez anos como fazemos hoje. O primeiro grande objetivo era recuperar a credibilidade. Antes de ir pedir dinheiro, tentar vender um patrocínio ou apresentar um projeto à Federação, à Liga ou ao Governo, era absolutamente essencial recuperar a credibilidade do Benfica. Precisávamos de reconquistar a confiança dos principais stake holders. Lembro-me de ter ido a todos os bancos explicar o que era o nosso plano a cinco anos. Foi graças à recuperação de credibilidade que conseguimos desenvolver o resto”, precisou Domingos Soares de Oliveira.

“A credibilidade demora muito tempo a conquistar e pouco a perder. O nosso processo tem sido sempre manter os stake holders informados relativamente aos nossos planos, objetivos, estratégia e prática. Graças a isso, temos conseguido manter todos os apoios que tivemos até hoje”, reforçou.

Nesses primeiros anos da gestão de Luís Filipe Vieira, os principais clubes nacionais correlacionavam-se e interagiam em matérias essenciais para a boa saúde da indústria do futebol.

Domingos Soares de Oliveira

“Houve uma fase, há cerca de 7/8-10 anos, em que foi possível trabalhar nos três clubes sem que se fizesse publicidade disso. Havia confiança entre as pessoas nesse sentido. É evidente que hoje a situação está mais tensa, mas acredito que, com o evoluir do tempo, vamos recuperar a confiança entre todos os protagonistas de uma indústria que, se não se defender através dos seus principais players, tem tudo para perder. É bom nunca esquecermos que são os clubes o principal motor do futebol nacional. São os clubes que investem, assumem os riscos e suportam os investimentos em jogadores e equipamentos. Se esta indústria, entre os principais clubes, não souber defender os princípios gerais de atuação e de defesa, vamos ter um problema. Acredito que haverá capacidade e sentido de estado dos clubes para que se possa construir um futuro melhor para o futebol nacional”, considerou Domingos Soares de Oliveira.

“Este Benfica que hoje conhecemos, que tem a sua atividade muito centrada em Portugal, vai ter alterações significativas nos próximos dez anos”, projetou o CEO. No estrangeiro, a Formação Made in Caixa Futebol Campus é uma bandeira cuja dimensão se multiplica.

“Sentimos, ao longo dos últimos anos, que não estávamos a ter um crescimento de receitas suficiente ao nível dos principais clubes europeus. Precisámos de imaginar uma solução para dar um salto para fora que nos permitisse ir buscar mais dinheiro. Esse salto tem uma parte, que é um lá para fora cá dentro, que tem a ver com todo o nosso projeto digital, em que vamos gerar mais receitas em termos nacionais e internacionais. E depois há outra parte, que é esta: temos um conjunto de mercados que nos pedem para os apoiarmos no desenvolvimento da sua atividade. O grande objetivo do Benfica é que o seu know-how, a sua competência seja reconhecida. Por isso é que pomos muito enfoque nesta fase de exportação de uma das nossas principais mais-valias, que é o Futebol de Formação”, apontou Domingos Soares de Oliveira.

Somos bons a formar, temos resultados que conseguimos demonstrar, em todo o mundo há jogadores formados pelo Benfica e que são reconhecidos internacionalmente. É esse valor acrescentado que podemos trazer às organizações, seja na China, nos Estados Unidos ou na Europa. Nos últimos dois meses, andei a fazer apresentações em vários países e assim vou continuar. Dentro de pouco tempo vou para Miami. A ideia é sempre transmitir às pessoas aquilo que fazemos bem aqui, as nossas competências (das nossas pessoas) e com isto conseguir gerar reconhecimento lá fora e fazer com que as pessoas acreditem em nós, para que possamos desenvolver os atletas desses países“, aprofundou.

Domingos Soares Oliveira

Um dos objetivos estratégicos do Benfica é tentar manter os jogadores formados e desenvolvidos no Caixa Futebol Campus. O sonho de conquista internacional, enfatizado pelo Presidente Luís Filipe Vieira, está bem aceso.

“Reter só por benfiquismo, só por amor à camisola é possível que aconteça, mas estes miúdos têm tantos incentivos lá de fora sobre uma série de matérias – onde a componente monetária não é obviamente insípida –, que é difícil ficarem aqui só pelo benfiquismo. Houve uma altura em que tivemos de vender jogadores porque precisávamos do produto dessa venda para equilibrarmos as nossas contas. Hoje equilibram-se sem isso. A venda de jogadores tem servido pontualmente para acrescentar mais um pouco de valor aos nossos resultados e reconstruir os capitais próprios, que é aquilo que temos feito. Só nos últimos dois anos demos mais de 60 milhões de lucro. O facto de cada vez necessitarmos menos de vender jogadores significa que temos mais capacidade de os reter. Tenhamos também nós a capacidade para lhes pagar, se calhar não tudo aquilo que poderão receber lá fora, mas que a diferença não seja assim tão grande“, assinalou Domingos Soares de Oliveira.

“Há duas coisas que podemos ver: quem são os clubes que estão permanentemente nas meias-finais e nas finais europeias. São sempre os mais ricos. Olho para os quartos de final para a frente e são sempre clubes extremamente ricos que estão lá, com mais poder económico do que o Benfica. Esta é a parte da equação que nos leva sempre a sermos um bocadinho cautelosos relativamente a essa ambição do Presidente. Agora vamos ver a equação contrária: a qualidade dos jogadores que já passaram pelo Benfica e que hoje continuam a ter sucesso em grandes clubes. São jogadores que podem chegar ou que já chegaram a finais da Champions ou da Liga Europa. Poderia citar 10/15 jogadores que estão ao mais alto nível. Se tivermos no futuro a capacidade de reter esse talento, com os jogadores formados dentro do Benfica e com um ou outro que possam não ter sido formados no Clube, acho que temos condições para ambicionar esse sonho. Não sei se vai ser daqui a cinco ou dez anos, sei que estão criadas as condições no Clube para reter o talento, e é através do talento que se consegue alcançar os melhores objetivos”, destacou o CEO.

Nesta retrospetiva, Domingos Soares de Oliveira abordou ainda a relevância de se impedir que o lado emocional interfira nas decisões e na gestão empresarial.

As emoções têm de ficar à porta no momento em que entramos no escritório. Isto é muito importante. Há decisões em que, se seguirmos apenas o emocional, vamos provavelmente cometer os mesmos erros que outros cometeram lá fora. Dou-lhe um exemplo: este ano, quando avançámos para as pré-eliminatórias de acesso à Champions, provavelmente outros clubes e outros dirigentes teriam sido tentados a gastar bastante dinheiro para reforçar o plantel e enfrentar esses jogos. Não foi o nosso caso. Fez-se um trabalho de análise e considerou-se que havia qualidade suficiente para enfrentar com otimismo os desafios que tínhamos, por isso não se fez nenhuma loucura do ponto de vista de investimento, sabendo que o retorno entre estar ou não na Champions era mais de 40 milhões de euros. Essa parte racional acabou por dar certo. Tentamos que o emocional não passe a porta do escritório, mas há alturas em que isso é difícil, porque todos somos humanos, todos somos Benfiquistas e, no final do dia, quando a bola bate na trave, pode ser um problema para todos, mas tentamos criar condições para que a bola bata o menos possível na trave”, sublinhou.

Quinze anos depois, está há vista tudo o que foi construído e alcançado pelo Benfica, mas há mais caminho para percorrer, desafios para atacar e sucessos para alcançar.

“Nunca desenhei na minha cabeça onde é que poderia estar o Benfica passados dez ou 15 anos, na altura em que entrei no Clube. Nesse momento a questão era muito de luta pela sobrevivência do projeto do Benfica e o que pensávamos era muito no curto prazo. Resolvemos isso, tivemos possibilidade de pensar no médio prazo e hoje em dia pensamos claramente no longo prazo. Se consigo imaginar onde estaremos daqui a dez ou 15 anos? Consigo! Consigo ter uma ambição, um sonho, que é muito mais sustentável do que era há 15 anos. Temos um clube moderno, forte do ponto de vista financeiro e dos seus recursos pessoais. Não estaremos cá todos daqui a 15 anos, mas a qualidade das pessoas que temos hoje, das infraestruturas, de um pensamento estratégico e dos nossos técnicos faz-me pensar que o Benfica será – não sei se o melhor – um dos dez melhores clubes europeus garantidamente daqui a 15 anos”, assegurou Domingos Soares de Oliveira.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.