Rui Vitória abordou apostas em Jonas, Samaris e na formação frente ao Sertanense

Em conferência de imprensa após eliminar o Sertanense da Taça de Portugal, Rui Vitória destacou a boa resposta dada pelos jogadores menos utilizados do Benfica na vitória, por 3-0, sobre o Sertanense, a contar para a 3.ª eliminatória da Taça de Portugal.

«É evidente que nestes jogos, e neste caso concreto o Sertanense, estas equipas tentam por todas as maneiras controlar o processo defensivo, nós não queríamos perder a bola para ir desgastando o adversário e os jogos acabam por ter essa dinâmica algo lenta… Sabíamos que, aparecendo o primeiro, as coisas podiam tornar-se diferentes e o Sertanense depois perdeu esse oxigénio. Serviu para o que queríamos, mais concretamente a possibilidade de colocar jogadores a rodar e mostrarem que estão prontos para competir.

– Deixo uma palavra de apreço para o Sertanense pelo que fez, mostraram que há qualidade nas equipas por este país fora e que têm estes momentos para se mostrar. Tiramos várias coisas positivas: acabámos o jogo com seis jogadores portugueses, o Yuri esteve bem fisicamente 48 horas depois de jogar pela Seleção, o Jonas regresso aos golos, o Ferreyra fez um que não contou mas era limpo…», analisou o técnico encarnado à RTP.

Samaris estreou-se como titular esta época no jogo da Taça de Portugal com o Sertanense. E surgiu no relvado do Estádio Cidade de Coimbra com a braçadeira de capitão do Benfica.

Questionado se algo irá mudar na situação do médio grego, cujo contrato com as águias expira no final da presente temporada, escusou-se Rui Vitória a alimentar polémicas.

«Burburinho? Não há burburinho nenhum, a minha visão do futebol não é essa. Na linha de capitães do Benfica, que podíamos mudar, é o jogador que está cá há mais tempo. Teve a braçadeira de capitão, agora se vai jogar, se continua, essas coisas…. Joga se tiver de jogar, não joga se não tiver de jogar. Isto serve para ele e para todos», frisou o treinador dos encarnados, em conferência de imprensa.

«Jogou os 90 minutos porque achei que estava a corresponder, nada mais há a acrescentar. Ponto final», sentenciou.

O que têm em comum Rúben Dias, Alfa Semedo, Yuri Ribeiro, Gedson, João Félix e Jota? São todos jovens, formados no Benfica, e apostas de Rui Vitória no jogo da Taça de Portugal com o Sertanense.

«Foi circunstancial, foi acontecendo. Não sabemos o que vai acontecer nos jogos futuros, mas sei o trabalho que se faz em nossa casa e com cada um dos jogadores da nossa formação», realçou o treinador dos encarnados, em conferência de imprensa.

«Há aqui jogadores com 19/20 anos que com mais dois ou três anos de nível de treino e competição e muitos jogos em cima darão matéria-prima para se ter jogadores da formação no Benfica. Não é um chavão obrigatório, nem algo que sigamos de forma obsessiva. A qualidade é o primeiro requisito, se a houver aliada à competitividade para representar o Benfica, assim o faremos», sustentou, sublinhando: «São eles próprios que têm o seu futuro nos pés e na cabeça. Mas é um indício muito positivo.»

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.