Paulo Lopes: A grande entrevista

paulo-lopes-entrevista-newPaulo Lopes terminou a carreira de jogador no final da época passada e abraçou um novo projeto no Benfica como treinador dos guarda-redes nos Sub-23, que considera estar “a ser uma experiência fantástica”. Numa entrevista ao jornal “A Bola”, com reportagem completa na BTV, recorda as duas passagens pela Luz, bem como os outros emblemas que representou.

Deixa elogios aos treinadores e colegas com quem se cruzou e aprendeu. Valoriza as alegrias e deixa um agradecimento especial à mulher, Rute, “pelo apoio e pela paciência”.

INÍCIO DA CARREIRA

“Cheguei ao Benfica em 1993, foi há tantos anos… Foi tudo muito rápido. Os meus irmãos, o Rui e o Tó, mais velhos, jogavam futebol e decidi arriscar também. Havia captações no Mirandela e lá fui eu. Tinha 13 anos, comecei nos Iniciados, com 14 anos já fazia alguns jogos pelos Seniores e com 15 estava no Benfica. Aconteceu tudo muito rápido.”

A MUDANÇA PARA O BENFICA

“Alguém me viu e a informação chegou ao Peres Bandeira, que tratava desses assuntos no Benfica, e tive possibilidade de vir fazer dois treinos. No final do primeiro disseram-me que era para voltar. O míster Nené disse-me que era para continuar, que iam entrar em contacto com os meus pais para voltar. Voltei no Carnaval e na Páscoa. No ano seguinte, quando regressei, era juvenil de segundo ano.”

Na altura era um sonho, o Benfica, um Clube tão grande que me queria. Era um misto pela alegria de vir e a outra parte… a minha mãe, Maria, que já morreu… Ela disse-me: ‘É o teu sonho, força.’ E vim, foi difícil, era apenas um miúdo de 15 anos.

Vinha de comboio… demorava 12 horas. Saía às 7 da manhã e chegava às 7 da tarde. Se saísse ao meio-dia, chegava à meia-noite. Partia mesmo da minha aldeia, Vilarinho das Azenhas. Tinha de ir até ao Tua, aí mudava de comboio, depois para o Porto, no Porto mudava outra vez para vir para Lisboa. Nem me lembro quanto é que pagava, mas também com 15 anos não era eu que pagava [risos].”

O PRIMEIRO IMPACTO COM A NOVA CASA

“Dizia para mim, o que é isto? O que é isto tão grande? Onde é que nós estamos? Metia medo, era assustador, no bom sentido, pois era o que todos os miúdos queriam. Vivi no Estádio e dizia em tom de brincadeira que estava em Lisboa e vivia no Estádio da Luz, que a minha casa era o Estádio da Luz, a maior casa de Lisboa.”

Paulo Lopes

A CHEGADA AO PLANTEL PRINCIPAL

“A fase de júnior para sénior foi a realização do sonho. E vínhamos ver os jogos. Em 1993 vinha ver os jogos. Rui Costa, Schwarz, Ailton, Neno, Mozer, Veloso… O Benfica foi campeão, olhar para eles… Tenho de agradecer-lhes o facto de me ter tornado jogador, pois queria ser como eles, eram como uns deuses. Se olhassem para mim, ficava eufórico. Era juvenil, fui treinar-me aos Seniores e nem consegui dormir na noite anterior, por estar tão excitado. Lembro-me de entrar no balneário, sentar-me e olhar pelo canto do olho.

Só de pensar como iria tratá-los… Ao Veloso só conseguia chamar senhor Veloso, era o capitão do Benfica. Graças a eles é que fomos sonhando que podíamos chegar aos Seniores. Lembro-me que, quando me dão a notícia de que ia ficar no plantel principal… Foi em 1997/98. Apanhei o Preud’homme e o Ovchinnikov como colegas. O treinador era o míster Manuel José. O treinador de guarda-redes era o Lucien Huth, que tinha vindo com o Preud’homme. Apanhei o melhor guarda-redes do mundo e o melhor guarda-redes da Rússia.”

PREUD’HOMME

“Para mim, foi o melhor com quem trabalhei. Era fantástico. Via as coisas que fazia e pensava que era tão simples que eu também conseguiria fazê-las. Se ele faz, eu faço. Só que não conseguia. A forma como voava, como agarrava a bola, parecia tudo tão fácil… É o mesmo que estarmos a ver Messi e Ronaldo, tudo é tão fácil para eles.

Se calhar não foi a melhor coisa no momento porque precisava de ter jogado mais, os clubes agora têm equipas B e Sub-23, espaços muito bons para os miúdos jogarem, era o que devia ter tido na altura, tinha ajudado. Por outro lado, trabalhei com os melhores e aí também tentas ser melhor.”

EMPRÉSTIMO AO GIL VICENTE

“Precisava de jogar, estava a ser chamado regularmente às seleções de Sub-20 e Sub-21, era um dos titulares, eu e o Benfica considerámos que precisava de jogar e fui para o Gil. Não fui feliz, estavam lá Paulo Jorge e Peter Rufai. Paulo Jorge fez época fantástica, foi, de facto, o melhor, mesmo que na altura isso não me entrasse na cabeça. Por que é que jogava ele e não eu? Analisando friamente, ele preparou-se melhor para essa época.”

BARREIRENSE E REGRESSO AO BENFICA

“Na altura não percebia o porquê. Não estava preparado, era impossível estar. Dois anos na equipa principal e não tinha jogado, um ano no Gil Vicente e não tinha jogos. As coisas mudaram um bocado quando fui emprestado ao Barreirense, fiz lá uma época, num escalão inferior, mas joguei, que era o que mais precisava.

Regressei ao Benfica e fiz alguns jogos na equipa B. Treinava-me com a equipa principal, mas jogava na B, o que me ajudou. Não estava preparado para ser titular do Benfica na altura. E segui outro caminho. Tentei trabalhar e preparar-me. Trabalhei com o Enke.”

Paulo Lopes

SALGUEIROS

“Foi o ano em que o Salgueiros desceu. E acaba por ser um ano fantástico para mim: joguei, fui convocado para a Seleção B, fui titular e fiz vários jogos. Comecei a crescer como guarda-redes, com tempo de jogo.”

ESTRELA DA AMADORA E SUBIDA DE DIVISÃO

“Três anos, um clube complicado, mas que deu muito gozo. Tínhamos sempre algum problema… No ano em que subimos não estávamos inscritos, a maior parte dos jogadores não estavam inscritos, fomos para o primeiro jogo, se não me engano, com 12 jogadores. Mas subimos e foi bom. Por não estar inscrito, não comecei a jogar; quem está a jogar, está bem; faço só os jogos da Taça de Portugal e ainda vamos às meias-finais. Perdemos com o Benfica [0-3] e foram os únicos golos que sofri, porque até lá não tinha sofrido nenhum.”

DESAFIO SUPERADO NO TROFENSE

“Uma época de segunda divisão, em que subo outra vez, e uma de primeira. Foi um desafio. O míster António Conceição tinha estado comigo no Estrela e foi para lá. Perguntou-me se tinha interesse em ir com ele. Era um projeto… Clube novo na II Liga, havia uma certa desconfiança em relação ao que aquilo podia dar, mas pareceu-me ser um projeto sólido, arrisquei e subi logo.”

FEIRENSE

“Em termos desportivos, se calhar, foram os anos em que consegui mais estabilidade, jogos seguidos. E tenho de agradecer ao presidente e ao treinador de guarda-redes, Paulo Santos, não me esquecendo de todos os outros. Foi onde joguei com maior regularidade e onde fui mais importante num clube. No primeiro ano não subimos por um ponto ou dois; no segundo ano subimos. Na Primeira Liga, em termos de jogos, foi a afirmação do Paulo Lopes.”

TELEFONEMA DE RUI COSTA E REGRESSO

“Fiquei surpreendido, na altura. Rui Costa ligou-me e eu pensei que era uma brincadeira. Mas ele disse logo que não era. Pensei e senti que estava em condições de estar a este nível. Tinha uns 34 anos, não havia nenhum registo de o Benfica contratar um guarda-redes português com essa idade, mas sentia-me na minha melhor forma e preparado. E foi a melhor coisa que me aconteceu.”

A ESTREIA NO BENFICA E NO ESTÁDIO DA LUZ AOS 34 ANOS

“O primeiro jogo oficial que faço pelo Benfica é com o Freamunde, fora, para a Taça de Portugal, lembro-me perfeitamente. Felizmente correu bem, ganhámos. Foi uma alegria tremenda, tinha 34 anos. Na Luz, foi com a Académica, para a Taça da Liga. Não é aquele nervoso, mas aquele bichinho… Como é que vai correr, será que corre bem? Será que corre mal? Faz-nos estar alerta e motiva para jogar.”

OS JOGOS MAIS MARCANTES

“O jogo da Taça de Portugal com o Freamunde e o jogo com o Zenit, para a Champions, aqui. O Artur foi expulso aos 20 minutos. O sonho de qualquer jogador, depois de chegar à equipa principal, é jogar um Mundial, um Europeu, uma Liga dos Campeões, uma Liga Europa.”

O QUE FICOU A FALTAR NA CARREIRA?

“Em termos gerais, fiquei preenchido. Aqui e ali podia ter jogado mais? Podia. Se podia ter ido à Seleção A? Houve momentos em que pensei nisso, se calhar exageradamente, pois pensamos mais em nós. Mas podia ter tido uma internacionalização, isso podia.”

Paulo Lopes

A CONDIÇÃO DE SUPLENTE

“Podemos ver isto de várias maneiras. Primeiro, ser guarda-redes do Benfica… poucos o são. Só os melhores. Atenção, estamos a falar de três no plantel principal. Se perguntarem aos guarda-redes dos clubes portugueses, todos queriam estar no plantel do Benfica, todos! Isso é certo. Sinto-me um privilegiado por ter feito parte do plantel do Benfica tanto tempo e acho que não há mais nenhum jogador que fique tanto tempo sem jogar e que fique no plantel, é difícil. Não é fácil gerir emoções, sentir por vezes que podes estar a jogar e não estás. Fui dos melhores, por isso é que fiquei aqui, num lote tão restrito, durante tanto tempo. Depois, há os melhores de entre os melhores. Oblak, Ederson, Artur, Júlio César…”

OBLAK E EDERSON

“Para mim, depois de Preud’homme, Oblak foi dos melhores. Não tenho dúvidas de que é dos melhores, se não o melhor do mundo. Ederson vai chegar perto de Oblak, tem também um potencial tremendo, embora com características diferentes. Top mundial. Dentro de pouco tempo vamos estar a falar de dois que vão estar entre os cinco melhores guarda-redes do mundo.”

ROBERT ENKE

“Estilo diferente, escola alemã, mais frio, não era de muitas conversas, mas em termos de trabalho estava sempre disponível. Um dos grandes que passaram pelo Benfica, indiscutível.”

ARTUR MORAES

“Grande Artur. Para mim, qualidade tremenda. Não é fácil ser jogador do Benfica, é difícil porque a exigência é muito grande de quem está de fora e de nós próprios. Queremos ser perfeitos e isso leva-nos a ter frustrações aqui e ali.”

JÚLIO CÉSAR

“Há muito a dizer sobre ele… Estamos a falar de alguém que foi considerado o melhor guarda-redes do mundo. Foi um prazer tê-lo como colega, cinco estrelas, sempre fantástico, mesmo nesta fase final.”

ODYSSEAS, SVILAR E VARELA

“Para mim, são os melhores guarda-redes da Europa e do mundo, estão no Benfica. Qualquer um dos três, embora com características, idades e vivências diferentes, tem condições para jogar. É evidente, caso contrário o Benfica não faria as contratações.”

Paulo Lopes

MENTALIZAÇÃO PARA O FIM DA CARREIRA

“Na época passada tomei a decisão e estive a tentar mentalizar-me de que tinha chegado o fim. Começava a notar que tinha alturas em que andava mais cansado e eu nem era muito de ficar cansado. Ou que já não estava a reagir como antes. E tive momentos em que já não conseguia e também tive outros em que dizia, calma, ainda estou bem para fazer isto.”

O SONHO DE TERMINAR COM O PENTA

“Quem é que não desejaria? Se fiquei na história do Clube… Ganhar a Liga quatro anos seguidos não é para todos os jogadores e a história do Benfica é muito grande. Teve os melhores jogadores, teve Eusébio e não conseguiu fazer isso. Estou num lote restrito de jogadores que conseguiu estar nos quatro títulos e, logicamente, tenho grande orgulho nisso. E se conseguisse o quinto, então aí, era ótimo. Mas temos a tendência de ficar tristes porque não conseguimos o quinto e estamo-nos a esquecer do quão bom foi até ali. Não nos podemos esquecer que ter ganhado quatro anos seguidos nunca tinha acontecido na história do Clube. Foi uma coisa inédita. Espero que seja já nos próximos cinco anos, mas não sabemos quanto tempo vai durar. Não é fácil estarmos quatro, cinco anos seguidos a ganhar. É muito complicado.”

O FESTEJO NA BARRA DA BALIZA

“Foi uma coisa que surgiu. Foi logo no primeiro ano… Os títulos que ganhámos… Quando a época começa, vejo as coisas no sentido coletivo. É lógico que pensamos no eu, que é normal, mas eu vejo o título. Para mim era um sonho. Em 1993, vi o Benfica ganhar o Campeonato Nacional, no último jogo, com o V. Guimarães. Estavam 120 mil pessoas, o Estádio estava completamente cheio. Olho para isso e vejo o sonho. Senti uma enorme alegria por fazer parte.

Paulo Lopes

O primeiro que ganhei foi com o Olhanense. Foi três jornadas antes do fim. Estava na pele de jogador, felicíssimo, e, ao mesmo tempo, na pele do público. São coisas que saem. A alegria era tanta que queria mostrá-la a todos. Surgiu aquilo, como poderia dar cambalhotas.”

O ANO DO BICAMPEONATO

“Não fica nos registos como fui [campeão], mas eu sinto que fui. Levantei-me todos os dias da cama como os meus colegas para trabalhar, fiz tudo exatamente como eles, tudo! Só não fui opção por decisão do treinador. Mas fiz tudo, exatamente, como quem ganhou o título. É um momento que me custa, pelo que fiz é algo que merecia. Não é puxar para o meu lado, mas merecia. A vida é assim, não deu, deu no ano a seguir.”

JORGE JESUS

“O míster é muito exigente, perfecionista, quer ganhar tudo, quer que os jogadores sejam perfeitos, é top a esse nível, não vamos dizer que não. Tem as características dele, coisas boas e outras menos boas, mas foi com ele que tivemos sucesso dois anos.”

Paulo Lopes

RUI VITÓRIA

“Completamente diferente, o oposto. Não é que não seja também um perfecionista, que não queira tudo direito, mas tem o estilo dele e uma forma diferente de estar na vida. Não somos todos iguais. Não é melhor ou pior por causa disso. É um treinador fantástico e pessoa fantástica, conseguiu também levar-nos aos títulos.”

LUISÃO

“É o capitão, é o símbolo. Quando alguém chegava ao Benfica, quando alguém chegava ao plantel, olhava e via uma referência. Um exemplo. É o que querias ser, vias nele o que querias ganhar, o que querias fazer. Ele bateu todas as estatísticas, é uma referência, cinco estrelas, uma pessoa com quem podes trocar ideias, com quem podes falar, alguém que te grita quando tem de gritar, mas alguém que te dá também a mão quando tem de a dar. Conseguiu por isso ser o capitão durante tantos e tantos anos.”

OS CICLOS QUE SE FECHAM

“É como tudo na vida, há ciclos. Quando começámos, havia Preud’Homme, Mozer, Veloso… são ciclos. Temos de ver o que deixámos, o que os miúdos veem. Olhar para nós como uma referência, para o que ganhámos, como um exemplo. Isso deixa-nos satisfeitos, cheios de orgulho. Esperemos que quando eles cheguem a esta fase, que os outros novos que estiverem a aparecer olhem também para eles como um exemplo. Dá-nos satisfação vermos que o que foi feito teve qualidade e sucesso.”

A NOVA VIDA

“Perguntaram-me se queria ser coordenador ou treinador, achei que era melhor ser treinador. Para que a fase de transição não fosse tão dolorosa. E foi a melhor decisão. De facto, está a ser uma experiência fantástica e enriquecedora, estou a adorar. Ao longo destes anos fui adquirindo conhecimento sobre várias coisas, umas fui escrevendo, outras ficaram-me na memória e nesta fase é como se tivesse uma biblioteca, mas com os livros todos espalhados. E estou a arrumar os livros por secções.”

Paulo Lopes

TREINADOR QUE MAIS MARCARAM

“Todos me marcaram. Falo do Paulo, do Valter, como posso falar do Madureira. Com todos aprendi qualquer coisa. Umas mais objetivas, outras mais de formação. Agora estou a organizar as minhas ideias para tentar colocar em prática o que eu acho que de melhor aprendi com cada um que me treinou. Tenho muitas ideias, mas também tenho de ver o outro lado, ver como é o miúdo, como o posso ajudar.”

A VIDA DAQUI A 10 ANOS

“Ainda é muito cedo. Vamos por etapas, não gosto de fazer planos muito à frente. Vejo-me apenas como treinador, gosto do que estou a fazer. Pelo percurso que tive, com mais de 20 anos de relva, sinto-me mais confortável no relvado.”

SUPERSTIÇÕES

“Não, mas se faz bem às pessoas… se vais para o jogo tranquilo e de cabeça limpa… Mas, por exemplo, calço sempre a luva esquerda primeiro do que a direita.”

UM AGRADECIMENTO ESPECIAL

“Quero agradecer à minha esposa, a Rute, pelo apoio, por estar sempre lá. Porque há altos e baixos, porque nem tudo é bom, porque por vezes vais para casa e o jogo não correu bem. Pela paciência.”

UMA CARREIRA FELIZ?

“Foi uma carreira feliz! Sinto-me orgulhoso pelo que fiz e pelo que conquistei, pelos amigos, por ser bem recebido onde quer que vá, por verem em mim não apenas o jogador, mas a pessoa.”

Paulo Lopes

Paulo Lopes visto por um treinador e três homens das balizas

José Henrique, team manager dos Juniores e antigo guarda-redes

“Eu nunca tive treinador de guarda-redes, antigamente não havia. O Paulo teve outra felicidade, teve treinadores de guarda-redes e eu fui um deles. Trabalhei quatro anos com o Paulo. Era um miúdo que gostava de trabalhar, estava sempre pronto para todo o trabalho que idealizávamos. Cada um tem a sua maneira de trabalhar, tira um bocado de um ou de outro e com as ideias que tem vai fazendo um trabalho espetacular, como aquele que está a fazer nos Sub-23.”

João Tralhão, antigo treinador dos Sub-23

“Tem a sua história no Benfica, que já vem de há muitos anos. Começou aqui muito jovem, fez o trajeto dele por fora e voltou já numa fase da carreira em que estava preparado para estar num Clube de elite a ganhar troféus. Como jogador teve uma carreira fantástica e agora está a começar uma nova como treinador de guarda-redes. É um produto da casa, é um dos nossos. A grande arma que tem para ser um excelente técnico é a disponibilidade e a predisposição para estar ao nível da exigência. Tem todos os condimentos para, um dia, ser um excelente treinador.”

Dylan, guarda-redes dos Sub-23

“É um orgulho. O míster Paulo Lopes é um treinador com muita experiência como jogador, tanto nacional como internacional. Transmite-nos muita confiança. É um treinador excecional.”

Manuel Baldé, guarda-redes dos Juvenis

“Através da sua experiência pode ajudar-nos nos treinos. Já jogou na Champions League e no Campeonato Nacional. É uma grande mais-valia no treino.”

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.