Ciclo infernal de agosto ultrapassado com sucesso com o 4-3-3 de Rui Vitória

wetyrytdeuSão muitos os números que ajudam a explicar o registo imaculado do Benfica neste infernal início de época com oito jogos em 27 dias, que encontram tradução no apuramento para a fase de grupos da Liga dos Campeões e na liderança da Liga NOS.

No domingo, frente ao Nacional, o Benfica encerrou este ciclo com uma goleada, por 0-4, e agora, em face da pausa nas competições de clubes, impõe-se um balanço. Em termos gerais, os números de primeira linha são estes: oito jogos, zero derrotas, 17 golos marcados (2,1 por desafio) e apenas seis sofridos.

Separando as águas por competição, percebe-se uma constância competitiva do coletivo e das dinâmicas do 4x3x3 desenhado por Rui Vitória, destacando-se em ambas em itens como remates enquadrados, passes e posse de bola.

De dentro para fora, na Liga NOS realce para o capítulo dos remates. Com um total de 63 tiros em quatro rondas, o Benfica enquadrou 31 desses disparos, o que perfaz uma eficácia de 49,2%, superando, assim, os rivais Sporting e FC Porto, de acordo com os dados da plataforma Wyscout.

Particularizando, o dérbi na Luz com o Sporting e a deslocação ao Bessa para encarar o Boavista foram as partidas com mais remates dos encarnados: 17, sendo que foi na receção aos leões que mais disparos tiveram a direção da baliza: 10.

Neste capítulo, mas na Liga dos Campeões, os números também merecem atenção. 54 remates em quatro jogos, 21 deles enquadrados, o que resulta numa eficácia de 39%. Destaque neste particular para a força demonstrada pelos comandados por Rui Vitória no Estádio da Luz. Foi em casa que a águia efetuou mais remates num só jogo (Fenerbahçe, 20) e mais remates enquadrados (PAOK, 8).

Benfica-V. Guimarães

Bola no pé, controlo e ritmo

Um dos aspetos mais preponderantes no jogo de futebol é o passe. É através dele que uma equipa controla um jogo e os seus ritmos; é muitas vezes através dele que se chega ao golo. Seja lateral, para trás, para a frente ou de rutura, um passe faz sempre mexer com o jogo e com as peças que o compõem.

Neste parâmetro, o Benfica é uma das equipas que melhor o interpretam e isso vê-se nos números apresentados, seja na Liga NOS ou na Champions. A eficácia total no passe até é semelhante (84,6 no campeonato e 85,3 na Europa), mas depois cada realidade faz o seu caminho.

Num momento em que a Liga NOS pára para compromissos das seleções, as águias contabilizam uma média de 465,5 passes por jogo, sendo que foi na estreia, com o Vitória de Guimarães, que os números mais se destacaram: 552 passes no total e 88,7% de eficácia.

Pizzi

Predominantemente ofensiva, a matriz da turma da Luz é fazer passes para a frente, que lancem o ataque. Em média, a equipa faz 157,5 passes certos para a frente eficácia de 78,1% –, percentagem que foi superada com os vimaranenses e no dérbi (80,3%).

Já na Liga dos Campeões, e numa análise aos quatro desafios da 3.ª pré-eliminatória e do play-off, os encarnados têm uma média de 487 passes por jogo, pulverizada diante do Fenerbahçe na Luz: 632 passes e 87,7% de acerto. Nos passes para a frente, o registo está nos 164,25 por jogo (eficácia de 81,3%).

A convergência regressa nos passes longos. Em ambas as competições, o Benfica tem um acerto de 57% nos passes longos, conseguindo uma eficácia superior a 50% em todos os encontros da Liga NOS e da Champions.

Andre Almeida

Benfica a mandar no jogo

Também na posse de bola os benfiquistas não permitem veleidades aos adversários. Em média, seja em Portugal ou na prova da UEFA, a percentagem de posse de bola está acima dos 50%. Na Liga NOS, o registo está nos 53,52%, sendo que foi no dérbi que a equipa teve mais tempo o esférico em seu poder: 61,17%.

Na Liga dos Campeões, a posse de bola está acima, nos 54,24%, com a curiosidade de os comandados por Rui Vitória terem terminado os jogos em casa – Fenerbahçe e PAOK – com posse acima dos 60%.

As jogadas de laboratório trabalhadas por Rui Vitória estão a ter continuidade e impacto em 2018/19. Os lances de bola parada são cada vez mais importantes na hora de decidir o desfecho de um jogo.

Jardel

Mais de 50% dos pontapés de canto do Benfica resultam em remates, sendo que, frente ao PAOK, até houve golo de Jardel. Na Liga NOS, a percentagem está nos 69%; na Champions está nos 59%.

Ainda na prova milionária, realce para o facto de o Benfica ter 54,2% de duelos ofensivos ganhos, com incidência maior no jogo com o PAOK na Luz: 60,24% de eficácia e 50 duelos ofensivos vencidos em termos absolutos.

Após a paragem, a fase de grupos da Liga dos Campeões arranca com o Bayern a 19 de setembro; a Liga NOS volta com a receção ao Desportivo das Aves a 23 do mesmo mês. Antes dessas duas frentes ainda há Taça da Liga com o Rio Ave no Estádio da Luz (16 de setembro é data provisória).

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.