Rui Vitória respondeu a dúvidas táticas colocadas pelos jornalistas

Numa entrevista diferente do habitual, o treinador do Benfica, Rui Vitória, respondeu às questões colocadas por cada um dos jornalistas pertencente aos Órgãos de Comunicação Social desportiva: David Marques (Mais Futebol), Filipe Pedras (Record), Paulo Alves (A Bola) e Marco Gonçalves (O Jogo).

No rescaldo do primeiro jogo da pré-temporada com o Napredak, os jornalistas quiseram saber com que Benfica contar, que sistema táctico vai ser mais utilizado e se os reforços defensivos, Conti e Lema, poderão vir a ser a futura dupla de centrais da águia.

Rui Vitória

David Marques, jornalista do Mais Futebol

Vimos o Benfica a jogar em 4-3-3 na primeira parte e em 4-4-2 na segunda. Já tem a ideia concreta sobre o plano preferencial que quer para esta época? Nos próximos dias vai privilegiar de igual forma os dois sistemas táticos para depois tomar uma decisão conforme o rendimento da equipa?

Vamos privilegiar nos próximos jogos estes dois sistemas que utilizámos em 45 minutos cada parte. Não com o propósito de querermos saber qual é o melhor, mas sim com o propósito de preparação dos dois sistemas. Portanto, passa muito por uma estabilização e por uma consolidação destas duas formas de estar em campo. Esta questão dos sistemas é um assunto ao qual as pessoas não se devem agarrar. O sistema não é mais do que a disposição dos jogadores em campo, mas depois há uma dinâmica muito própria. Antes destes sistemas há os princípios que a nossa equipa consegue ter. Isso tanto pode ser alicerçado em 4-4-2, em 4-3-3, em 3-5-2… Na realidade, vamos trabalhar nessas duas disposições táticas porque queremos estar preparados para as duas situações. A grande maioria destes jogadores já trabalhou num e noutro. Estamos identificados e aquilo que queremos é poder utilizar um destes sistemas a qualquer momento.

Rui Vitória

Filipe Pedras, jornalista do Jornal Record

Depois do teste no jogo com o Napredak em que experimentou o 4-3-3 no arranque e o 4-4-2 na segunda parte. Qual dos sistemas em que vê a equipa ser mais dominadora?

A equipa tem de ser e quer ser dominadora nos dois sistemas. Essa é uma das nossas grandes visões. A equipa tem de chegar ao campo, impor a sua forma de jogar, ser uma equipa que faça com que a outra equipa se adapte à nossa. Um jogo são 90 minutos e há momentos em que isso não acontece. Mas o nosso propósito é esse: a equipa estar implementada em campo de forma a controlar as operações, que domine o jogo e o adversário. Independentemente de um sistema e de outro, o que queremos implementar é essa nossa visão do jogo. Não devemos olhar apenas para essas questões fundamentais do 4-3-3 ou do 4-4-2. Hoje em dia, quantas vezes não estamos a jogar e a nossa equipa acaba por ter três homens na fase de construção, que são os dois centrais e o médio mais recuado? Aí os laterais sobem e estamos a jogar num 3-4-3. No início do jogo temos uma disposição no 4-3-3 normal e a atacar jogamos de uma maneira e a defender jogamos de outra. No próprio jogo há dinâmicas muito especificas. O que queremos é um jogo fluído, bola a circular com velocidade, a bola a percorrer os três corredores, que se procure constantemente um espaço livre para podermos atacar. Esta é a nossa visão. Temos de procurar constantemente espaços livres porque as equipas que nos defrontam, jogam de forma densa. Tudo isto traz três palavras que são quase regras: atrair, libertar espaço, acelerar.

Rui Vitória

Paulo Alves, jornalista do Jornal A Bola

Conti foi usado na primeira parte no lado direito do eixo defensivo; Lema foi utilizado na segunda no lado esquerdo do eixo defensivo. Poderá estar aqui a futura dupla de defesas-centrais do Benfica?

Diria que nem é cedo, nem é tarde. Não se pode tirar essa conclusão. A dupla que acabou por estar a jogar mais vezes o ano passado foi uma dupla de enorme qualidade e que se irá manter. Portanto, tendo Rúben Dias e Jardel, que foram os centrais que tiveram mais minutos o ano passado, é inegável que estamos a falar de uma dupla de muita qualidade. Quando se vai buscar qualquer jogador, o que queremos é que se faça um grupo de defesas-centrais forte, que esteja preparado para as várias competições, que estejam preparados para as incidências que, por norma, acontecem com os centrais: castigos, lesões e densidade competitiva que temos. Por exemplo, só no mês de agosto vamos ter muitos jogos com um curto intervalo de tempo. A razão para se ir buscar um central ou outro não é com o propósito de tirar um dos defesas-centrais que temos. Há um trabalho que todos estes jogadores vão ter de ter, os que já estão, continuar; os que chegaram, adaptarem-se rapidamente. Há 50 jogos para fazer durante uma época e temos de estar preparados. Isto serve para os defesas-centrais e para os outros também. Quando se vai buscar um jogador, muitas vezes não tem a ver com necessidades efetivas, mas sim com o compor o nosso grupo de soluções que possam ser utilizadas a qualquer momento e que tenham valor. Jogar à direita e à esquerda? Temos defesas-centrais que podem estar mais rotinados a jogar num lado ou no outro, mas à medida que o tempo vai passando é natural possam jogar à direita e à esquerda com a mesma naturalidade como aconteceu com Rúben Dias o ano passado.

Futebol

Marco Gonçalves, jornalista do Jornal O Jogo

Na sequência do jogo com o Napredak, a diferença entre um Benfica mais controlador e com posse de bola em 4-3-3 e um Benfica mais rápido e direto no 4-4-2 se deve às características dos jogadores ou se serão duas marcas bem distintas em 2018/19?

Queremos que isto seja aplicado em cada um dos jogos e em cada um dos sistemas. A equipa estar disposta num 4-3-3, que foi a forma como acabámos o ano transato deu-nos segurança na circulação de bola, controlo na circulação da bola e do jogo e controlo maior do adversário. Temos dados concretos em que o adversário teve menos oportunidades de golo, nós tivemos mais e controlámos o jogo mais facilmente. Hoje em dia, nós, treinadores, procuramos estar preparados da melhor maneira para as várias fases do jogo. Isso passa por saber como vamos estar organizados a defender, e quando estivermos a defender temos de ser uma equipa compacta, coesa, que dá pouco espaço entrelinhas para o adversário, que defende em bloco, que tem uma grande dinâmica e velocidade defensiva, que tem zonas de pressão perfeitamente definidas e que os jogadores sabem em que zonas vamos defender. Quando estamos a atacar, temos de perceber que é preciso atrair os adversários para um determinado espaço para depois atacarmos por outro corredor, reagir à perda da bola e quando a ganhar, saber o que fazer. Se há espaço para ataque rápido, fazemo-lo; não há, tiramos a bola da pressão, recuamos e jogamos em ataque organizado. Os treinadores trabalham para que isto funcione. Pretendemos jogar com maior circulação de bola, jogar rápido, defender bem e estes momentos de perder e ganhar a bola são, para nós, determinantes. No futebol atual, os jogadores que estiverem preparados para mudar rapidamente o chip para o ataque ou para a defesa é determinante. Trabalhamos muito esta parte do jogo.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.