Rúben Dias: “Tenho como objetivo o sucesso”

No Clube desde os Infantis, Rúben Dias é, como o próprio diz em entrevista exclusiva, resultado de uma bandeira chamada Sport Lisboa e Benfica.

Para a BTV, o central de 21 anos (completados neste mês de maio) foi a revelação do Campeonato 2017/18. Fruto das boas atuações, o defesa mereceu fazer parte da lista final do selecionador nacional para representar Portugal no Mundial que se vai realizar na Rússia de 14 de junho a 15 de julho.

Quando começou a época imaginava fazer 30 jogos na equipa principal, 24 deles no Campeonato, e ainda por cima com quatro golos, três deles na principal competição nacional?

Tenho como objetivo o sucesso. Não penso especificamente em números, mas sim no contexto geral. A palavra “sucesso” é que me interessa. Penso em fazer o meu trabalho e o que tiver de acontecer, acontece naturalmente.

Tem a expectativa de ser considerado, no primeiro ano de Benfica na equipa principal, a revelação do Campeonato?

No seguimento do que disse, não tenho essa expectativa. Acredito que fiz uma grande época, que foi de afirmação para mim. Estou muito feliz por isso. Se tiver de ser a revelação, que o seja com naturalidade devido ao que eu fiz. Claro que ficarei muito feliz.

Os objetivos que tinha para esta época foram superados?

Os objetivos estão no caminho que devem estar. Eu digo que não penso num determinado número de jogos porque, imaginando que não tivesse jogado tanto, mesmo assim poderia ter sido uma temporada de sucesso para mim, em que tivesse aprendido muitas coisas mesmo não jogando, porque isso acontece, especialmente num grupo como este. Não associo tanto os números ao sucesso, porque consigo ter sucesso sabendo o que é o meu trabalho. Eu sei o que faço e para onde caminho.

Rúben Dias

“Um fator que melhorei foi ao nível da comunicação”

Estreou-se a 16 de setembro de 2017, num Boavista-Benfica, no Estádio do Bessa. Quando é que percebeu que ia jogar de início nesse duelo?

Já foi bem tarde, perto do jogo. O Lisandro ia ser o titular, mas, se bem me lembro, acho que foi no almoço que ele se sentiu mal e aí eu apercebi-me que poderia eventualmente ser chamado. Não era um jogo fácil, os níveis de concentração subiram, a pressão começou-se a sentir, mas aconteceu tudo de maneira natural e de certa forma estava preparado.

Estava nervoso naquele momento?

Sim, é normal, mais pelas circunstâncias. Era um jogo fora, no Norte, complicado e isso aumenta esse nervosismo, mas, quando estamos confiantes no trabalho diário e na nossa postura, ultrapassa-se isso.

E a quem é que deu a notícia em primeiro lugar de que iria jogar?

Ninguém sabia, eu nunca partilho isso.

Nem com a família?

Não, porque naquele momento já era tarde. Se eu eventualmente souber um dia antes, no último treino antes do jogo, e se eu aí sentir que posso, chego a casa e se calhar digo, ou não, mas ali perto do jogo desligo completamente e não digo a ninguém. Claro que eles gostavam de saber, mas é uma coisa minha. Naquele momento sou eu, é o meu foco.

Como foi a conversa com o treinador Rui Vitória?

Foi um processo natural. O Lisandro não soube logo que estaria indisponível. Esperou-se até ao momento da decisão. Aconteceu tudo com naturalidade e isso foi importante.

Rúben Dias

“É mais fácil quando se tem ao lado tanta experiência e qualidade”

Foi difícil entrar no ritmo do principal escalão do futebol português?

É diferente. Antes de entrar na Liga, já treinava com o plantel principal e pude ir ganhando algum estofo. Apenas treinando sente-se logo a diferença de andamento.

O que é que mudou no Rúben entre esse jogo com o Boavista e este último com o Moreirense?

Em relação à minha atitude nada mudou. Evoluí, cresci e melhorei, mas os meus princípios para continuar a progredir são os mesmos.

Cresceu a jogar como central sobre a direita do eixo defensivo, mas fez a estreia sobre a esquerda, ao lado de Luisão. Mais tarde, quando fez dupla com Jardel, jogou sobre a direita. Esta adaptação foi fácil?

Sim. Tenho um número mais elevado de jogos como central pela direita, mas ao longo da formação sempre fui pisando dos dois lados. Senti-me confortável, nunca foi uma grande dificuldade jogar como central à esquerda.

Rui Vitória disse que foi feito um trabalho específico com Rúben Dias para que pudesse jogar sobre a esquerda do eixo e que se sentia muito satisfeito com o resultado. Como foi esse trabalho?

Foi uma decisão importante, porque me ajudou a preparar-me para aquele que poderia ser o meu ponto de entrada.

Jogar mais à direita ou à esquerda sobre o eixo muda muita coisa?

Muda, muda. O lado em que se joga está diretamente relacionado com o pé preferido, e só isso, na saída a jogar, já obriga a trabalho específico. Há outra coisa muito importante que é a noção do espaço, para onde se olha. A adaptação, mais fácil ou mais difícil, passa muito por aí.

Rúben Dias

“Sinto que me afirmei no Benfica e no futebol português”

Como foi o entendimento com Luisão e Jardel? Foi importante tê-los ao lado nesta época de estreia?

Claro que ele sim. E o próprio Lisandro, tal como Samaris, que de vez em quando fazia a posição. Quando se tem ao lado jogadores com tanta experiência e tanta qualidade, é mais fácil para quem quer aprender e ser melhor jogador. Há uma série de pequenas coisas que no final fazem toda a diferença.

Quais foram os aspetos no seu jogo que mais melhorou?

Primeiro que tudo nunca tinha feito tantos golos. Esse foi um ponto em que melhorei bastante. Um fator muito importante que melhorei foi ao nível da comunicação, porque num estádio cheio, com tanto barulho, as pessoas não se ouvem como noutras ocasiões. Toda a gente diz que eu sempre fui um jogador comunicativo, e fui, porque tinha de ser. Se não tivesse sido, provavelmente não estaria onde estou hoje. Fui porque tinha de ser, porque precisava de ter sucesso e aquele era o meu método para controlar o que estava ao meu alcance e dessa forma ajudar a equipa ao máximo, sem nunca querer ir além daquilo que é o meu dever, o meu trabalho, sem nunca passar por cima do treinador. As pessoas dizem que foi muito importante melhorar a minha comunicação e eu sou o primeiro a concordar, mas não gosto que se esqueçam de que a comunicação que tinha antes era importante no contexto onde eu estava, era decisiva até.

Costuma rever os seus jogos para fazer autocrítica?

Sim, revejo e gosto de rever para tirar as minhas conclusões.

Rúben Dias

“Sou um jogador da bandeira Benfica”

Ao longo de 55 jogos pela equipa B na II Liga nunca marcou. Precisou de apenas 11 jogos na equipa principal para começar a marcar. O que é que mudou?

Desde os tempos na equipa B que comecei a forçar mais esse aspeto. A minha grande prioridade sempre foi defender, mas sei que é importante marcar golos, poder ajudar a equipa em momentos complicados, porque por vezes o jogo corrido não ajuda tanto e é preciso uma bola parada para decidir. Insisto nisso desde a equipa B, trabalhando bastante. E depois é uma questão de oportunidade e de crença também.

Marcou quatro golos, três deles na Liga, todos na sequência de pontapés de canto. Lembra-se bem deles?

Foram golos marcantes, especialmente o que fiz ao Rio Ave. Até comentei com os meus familiares e amigos mais próximos que aqui no Estádio, quando se vai para um canto, é diferente, porque sente-se o entusiasmo, um jogador parece que ganha força e altura, e isso também teve uma certa importância.

Os festejos como foram?

Emoção, felicidade… Tenho uma filosofia de vida que me faz levar as coisas de uma forma muito natural. Nos próprios festejos, por acaso nunca dedico o golo a ninguém, não sei se por me esquecer ou por princípio meu. É o jogo, estou focado e o que tiver de acontecer, acontece naturalmente.

Rúben Dias

“Na Luz, quando se vai para um canto, parece que se ganha força e altura”

Sente que os colegas já o procuram nesses momentos de bola parada?

Não é tanto por aí. Existe um trabalho feito durante toda a semana e depende sempre do que for a estratégia do treinador.

Os quatro golos são para superar na próxima época, ou não pensa nisso?

Estou a pensar no dia de amanhã. Seja o que for que estiver feito, é sempre para superar, porque o caminho para melhorar é exatamente esse.

Depois de se afirmar na equipa principal do Benfica, começou-se a projetar a possibilidade de ser chamado pelo selecionador português para ir ao Mundial. Mais ou menos coincidente com esse período, a partir do jogo em Paços de Ferreira, iniciou-se uma campanha contra Rúben Dias, com comentários de pessoas ligadas a outros clubes dando conta de que é um jogador excessivamente agressivo. Como é que geriu emocionalmente a pressão externa? Como reage às críticas?

Quem me conhece sabe o tipo de jogador e de pessoa que sou. Se há coisa que sou quando jogo, e quando estou em campo, é honesto. Claro que sou agressivo, faz parte do meu dever, da minha posição, do jogador que quero ser, mas nunca com uma intenção de magoar, sempre com a intenção de jogar a bola. As pessoas por vezes levam para o lado que lhes convém. Diria que faz parte.

Não o afetou?

Não, não. Quando se chega a um certo nível, as pessoas tendem a puxar para onde lhes convém. Não posso ficar alterado. Diria que as coisas são assim mesmo.

Rúben Dias

“Forço o golo desde os tempos da equipa B”

Que balanço faz da última época?

Sinto que me afirmei no Benfica e no futebol português. Deixei a minha marca. Já foi, há que pensar no vem a seguir.

O Benfica tinha outros objetivos, conseguiu apenas a Supertaça. O que é que se passou nesta temporada?

Não foi a época que todos esperávamos. Claro que ninguém sai totalmente satisfeito. No final acabámos por manter o segundo lugar, que também foi muito importante para o Clube, mas claro que não foi a temporada que esperávamos. No Benfica sempre fui habituado a vencer, é a palavra de ordem da casa. Mas isto é futebol, não se pode ganhar sempre. Nestes momentos, saber perder é importante, tal como saber aguardar pelo nosso momento, ter resiliência e manter o foco no sucesso. Nenhum clube do mundo ganha sempre. Muitos ganham muitas vezes, esses são os grandes e nós somos um deles.

Hoje em dia, na Formação do Benfica olha-se de maneira diferente para a equipa principal?

Respondo por mim: cada um olha como acha que tem de olhar, e aí está a grande diferença entre os que conseguem e não conseguem. Têm de olhar como objetivo, mas nunca como algo que seja atingível apenas com um mínimo de esforço. Nunca se pode pensar que é fácil nem dar nada como garantido. Pensar assim é um erro.

É neste momento uma bandeira da Formação do Benfica?

Não, não… Bandeira só há uma, é a do Benfica. Sou um jogador que resultou dessa mesma bandeira.

O Presidente tem uma presença muito próxima do plantel. É importante?

Sim, sem dúvida. Essa proximidade também facilita o nosso trabalho.

Rúben Dias

“Muitos ganham muitas vezes, esses são os grandes e nós somos um deles”

Os adeptos querem voltar a festejar títulos rapidamente. O que é que pode dizer aos Benfiquistas, sem prometer, sobre o facto de o Benfica abordar a próxima temporada de forma diferente?

A única coisa que se pode prometer nestas alturas é trabalho e a vontade de querer voltar a ganhar. Nunca são missões fáceis, mas a nossa vontade é sempre ganhar, porque de outra maneira não estaríamos aqui.

De um ano para o outro, passou a ser uma estrela do futebol nacional. No dia a dia, consegue fazer o mesmo que fazia antes de ter esta projeção?

Não muda muito. Sou reconhecido mais vezes do que era, mas os hábitos mantêm-se. Em certas ocasiões é preciso tomar decisões mais inteligentes, como ficar em casa quando o momento assim recomenda.

Poder representar a Seleção Nacional e alinhar num Mundial é…

É o sonho de qualquer jogador, ainda para mais com a minha idade.

Rúben Dias

A OPINIÃO DE QUEM SABE E CONHECE Rúben Dias

Hélder Cristóvão 

HÉLDER CRISTÓVÃO (treinador do Benfica B)

  • “Uma época normal, natural para aquilo que vinha fazendo nas camadas jovens e mais precisamente na equipa B. O Rúben é um jogador que se foi preparando desde muito cedo para chegar muito bem a este patamar. Assim que houve oportunidade de jogar, nunca mais saiu. Tem a ver com a sua personalidade, mentalidade, com o seu grau de profissionalismo e tudo aquilo que foi sonhando enquanto miúdo. Se formos aos arquivos, vamos encontrar declarações dele, ainda com 10/12 anos, a dizer que queria chegar ao patamar mais alto, à equipa principal, e foi trabalhando para isso. É um jogador muito sério, rigoroso, muito exigente com ele mesmo, que vai ao pormenor para melhorar. Contagia quem está ao seu redor: mais, mais, mais… Comparo-o muito a Otamendi em termos de agressividade, dá tudo e contagia os colegas. O Rúben está completamente capacitado, faz uma entrega de bola limpa, consegue jogar entre linhas, consegue ser seguro no que faz. Auguro-lhe uma carreira fantástica.”

Ricardo Rocha 

RICARDO ROCHA (ex-jogador)

  • “Uma época fantástica, mostrando o seu valor a cada jogo. Apesar da idade, aparenta ter muita experiência na maneira como aborda os lances. É um jogador duro, mas no bom sentido. Tem provado no Benfica que merece ser titular e ter uma oportunidade na Seleção. É forte na marcação, posiciona-se muito bem. Ainda é muito jovem, tem uma margem de progressão muito grande, o que é incrível, porque ele já se exibe a grande nível e ainda pode melhorar. Não é fácil um jogador com a idade dele ser titular numa equipa como a do Benfica e isso demonstra o trabalho que tem feito para o conseguir.”

Paulo Madeira 

PAULO MADEIRA (ex-jogador)

  • “Época positiva. É um jogador-revelação, deu nas vistas neste último terço do Campeonato. Estamos perante um central que, mais dia menos dia, vai-se afirmar também na Seleção Nacional, porque tem condições fantásticas: é bom no jogo aéreo, muito forte fisicamente e rápido. E depois tem uma particularidade que não é pelo treino que se vai lá: é autoritário. Seguramente, vai ser o patrão do futuro neste Benfica.”

Edmundo 

EDMUNDO (ex-jogador)

  • “Uma época excelente no primeiro ano na equipa principal do Benfica e na I Liga. Quanto mais tempo passar e quantos mais jogos fizer, mais capacidade vai tendo. Atuando ao lado de jogadores como Luisão e Jardel, aprende com eles. É um jogador que vale na sua totalidade, pela presença física, rapidez, agilidade e inteligência a jogar.”

Ferro 

FERRO (central do Benfica B)

  • “Não tem sido uma surpresa para quem o acompanha desde muito novo. Sabe-se como ele é, como joga, disputa todos os lances como se fossem os últimos, não gosta de perder. Para quem o conhece, não é surpresa. Ele quer sempre ganhar, nos treinos e nos jogos, e isso acaba por fazer diferença. Disputar cada lance como se fosse o último é muito bom num jogador, principalmente num defesa. Como central, isso é muito importante. Nos duelos, não pode perder nenhum, é o último homem da defesa. Dizem que ele é muito agressivo… Ele tem de ser agressivo! Se não fosse, se calhar perdia lances e, sendo o último homem da defesa, a equipa pagava caro. Ele disputa os lances para ganhar, sempre! Nunca é na maldade, é sempre para ganhar.”
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.