A grande entrevista de Jonas na BTV

jonas113510a46_664x373Para Jonas, os limites são nada. “Acordo todos os dias com vontade de fazer melhor e superar os meus recordes. Enquanto tiver saúde e vontade de vencer, vou continuar a jogar”, afirma o avançado do Benfica numa extensa entrevista exclusiva onde olha para trás, mas também muito para a frente.

No início da temporada, tinha como objetivo ser o máximo goleador do Benfica e da Liga NOS? Definiu um número de golos a atingir?

Defini e cheguei no número exato: 34. Sempre tenho os meus objetivos individuais. Nesta época, como são 34 jornadas, pensei que marcar 34 golos seria um bom objetivo. Difícil, mas, trabalhando, poderia alcançá-lo. Assim aconteceu, fazendo até menos jogos, porque no final da Liga fiquei fora de quatro jornadas. Foram 30 jogos, 34 golos. Estou muito feliz e realizado. Dever cumprido.

É preciso recuar 45 anos, até ao tempo de Eusébio, para encontrar um jogador do Benfica com mais de 34 golos na Liga. Tem noção do lugar que tem e que vai ocupar na história do Benfica?

Na verdade, às vezes eu não tenho essa noção toda. Mas quando saio na rua e tenho o carinho de todos, acabo por me situar. Estou muito feliz por atingir esses números num clube com a dimensão do Benfica. Sou muito grato.

Marcou 42% dos golos da equipa. Foi a sua melhor época de sempre?

As outras épocas também foram boas. As temporadas no Benfica têm sido as melhores da minha carreira. O meu primeiro ano foi muito bom, de afirmação. E o segundo foi ainda melhor. Venho crescendo a cada ano, juntamente com todos. Estou feliz. Vejo que o que estou a viver aqui vai ficar marcado para sempre.

Jonas

34 golos na Liga NOS, 37 golos no total. É a melhor época fora do Brasil. Como explica este sucesso individual?

Trabalho, compromisso, dedicação. Costumo estar focado nisso tudo. Gosto de chegar cedo aos treinos e ficar a fazer muitas coisas no fim. É importante isso e depois ir para casa, descansar, alimentar-me bem. A minha boa forma no Benfica está relacionada com tudo isso. Estou muito feliz e quero continuar a fazer tudo o que tenho feito do início ao fim de cada temporada.

O que é que faz depois dos treinos? Que segredos são esses?

Há muito trabalho individual, específico. Uma hora antes do horário marcado eu já estou no clube. Se a chegada é às 9h00 e o treino é às 10h00, às 8h00 eu já estou lá. No fim dos treinos, são os alongamentos, o banho frio, o trabalho da parte superior… Tudo isso tem sido fundamental para a minha campanha em cada época.

Na Liga NOS, foi eleito Melhor Jogador do mês entre outubro e março, quando teve a lesão que o parou quatro jogos. Perante isto, tem a expectativa de receber novamente o prémio de melhor jogador do Campeonato, ou viu alguém jogar melhor?

Estou na expectativa, não vou mentir, até porque trabalho para isso. Eu traço objetivos: ser artilheiro, melhor jogador da Liga… São metas minhas. Agora, houve outros jogadores, da nossa equipa e de outras equipas, que fizeram um grande campeonato. Vamos ver [risos]. Tenho essa esperança e quero ganhar [risos].

Jonas

Grandes nomes do Benfica, ex-jogadores, já disseram publicamente que Jonas é o melhor estrangeiro da história do Clube e, para muitos deles, também o melhor que passou pelo futebol português. Reconhece esse estatuto?

Fico com a opinião deles. Não gostaria de ser eu a opinar se sou o melhor. Sou muito respeitado, acarinhado e elogiado, o que só me motiva mais para fazer bons jogos, grandes temporadas, ultrapassar os meus números, ganhar títulos, porque tudo gira em torno disso para ficar ainda mais marcado na história do Benfica. Nos últimos anos temos conseguido isso tudo. Cada um tem a sua opinião. Fico muito honrado.

Alguma vez pensou em superar os 40 golos nesta temporada?

Não, não pensei. Claro que, durante a temporada, se estiver próximo do objetivo, ajusto e penso noutro. Como falhei as últimas jornadas, estava mais focado em marcar 34 golos no Campeonato. Quero sempre superar o número máximo que fiz numa temporada. Era 36, nesta época marquei 37. Consequentemente, gostaria de ultrapassar os 37 golos na próxima época.

Os 42 golos que marcou no Brasil são um registo superável em Portugal, com menos jogos?

Diria que sim. Mas teria de fazer todos os jogos de todas as provas nacionais, passar a primeira fase da Champions… Daria um bom número de jogos para uma boa média de golos. Acho que é possível.

Marcou 34 golos nos 30 jogos em que participou na Liga NOS. Qual foi o mais especial?

O que marquei ao Marítimo [fora] é bonito, o que marquei ao Braga [casa] também. Decisivos… os que fiz em Paços de Ferreira, na Luz contra o Sporting… E na Taça também marquei um belíssimo golo: peguei de primeira um cruzamento do André Almeida [no jogo com o Rio Ave para a Taça de Portugal].

Jonas

Nos festejos dos golos, quanto é que há de inspiração do momento e de preparação?

O golo que dediquei ao maestro [João Carlos Martins] foi combinado com ele, depois de ter ido à minha cidade participar num evento. A maioria dos golos festejo com os adeptos, com os companheiros. E todos sabem também que levanto as mãos para o céu para agradecer o facto de jogar futebol e ter a oportunidade de fazer o que mais gosto.

11 jogadores serviram-no para marcar no Campeonato: André Almeida…

Sei, porque tínhamos um objetivo: 10 assistências. Não chegámos lá porque ele também perdeu jogos na parte final.

Raúl tem quatro passes para golos de Jonas

Quando jogamos juntos sempre sai alguma coisa: ou eu faço um passe para ele, ou ele faz para mim. Ultimamente tem sido mais ele do que eu.

Na jogada em que Raúl fez uma assistência de letra, com o V. Guimarães, nota-se que Jonas antecipou que o seu companheiro iria tirar qualquer coisa daquele espaço. O conhecimento também é chave…

O Raúl faz muito isso nos treinos. Quando ele está perto da linha de fundo, sei que pode acontecer aquilo que fez. Foi uma coisa que imaginava e esperei a bola no segundo poste para marcar o golo.

Contra o Belenenses, na Luz, chutou da linha de meio campo e acertou no poste…

Seria o melhor golo da minha carreira! Foi uma pena.

Pizzi também fez quatro passes para golos de Jonas, há uma grande química com ele. De onde vem a sua capacidade para marcar de forma tão diversa?

Com o tempo ganha-se conhecimento da posição. Em pequeno, eu já era obcecado pelo golo. Em todos os jogos na escolinha da minha cidade, por incrível que pareça, queria sempre fazer golos, queria ser artilheiro. Quando não ganhava, chegava em casa a chorar e a minha mãe sabia logo que eu não tinha ganhado, que eu não tinha sido o artilheiro. A diversidade na finalização vem desde pequeno. Tenho sempre muita vontade de marcar golos quando estou em campo. Quando eu não marco e a equipa não ganha, fico chateado.

Marcou golos em 10 jogos seguidos. Bater esse tipo de recordes é algo que o alimenta, ou só fica a par disso quando acontece?

Quando ouço as notícias e fico a par, isso alimenta mais, porque estimula a minha vontade de superar os recordes.

Portugal baixou no ranking da UEFA e, na discussão da Bota de Ouro, o golo na Liga NOS passou a valer apenas 1,5 pontos e não 2 como em 2016/17. Em termos absolutos, só Messi fez melhor…

Pelos pontos estou na oitava posição, mas, em termos de golos marcados, eu sinto-me segundo [risos].

Houve um curto período em que falhou penáltis e depois mudou um pouco a maneira de marcar…

Conclusão: treinar mais. Foi o que fiz.

Jonas

Marcou 28 penáltis consecutivos, falhou ao 29.º da carreira…

Nunca tinha falhado um penálti, mas nesta temporada falhei três. Senti que era o momento de começar a alternar um pouco mais. Também treinei mais. Houve uma semana em que fiquei praticamente todos os dias a bater penáltis no fim dos treinos. Isso funcionou. No primeiro fim de semana bati como estava a treinar e deu certo. Com o treino, aumentei o leque de opções e fica mais difícil para o guarda-redes.

Estuda o guarda-redes?

Estudo. Antes de chegarmos ao estádio já tenho os vídeos dos guarda-redes adversários e vejo 8/10 penáltis para perceber para onde caem, se esperam, se saem da baliza antes de o marcador de penáltis chutar a bola…

No Bonfim, estava no aquecimento e de repente lesionou-se e ficou um mês parado. Que aconteceu?

No dia do jogo, acordei mal. Quando saí da cama, senti uma dor muito forte na coluna, na zona lombar. Percebi logo que seria difícil estar em condições de jogar. Foi uma dor terrível. Fiz tratamento, fui para o aquecimento por teimosia minha. Quando saí para correr, vi que não dava mesmo para jogar. Depois, estive três/quatro semanas sem jogar porque sentia muitas dores. Nas primeiras duas semanas foram só tratamentos, até que fui melhorando e pude ficar disponível para o jogo com o Sporting.

Como sentiu a equipa sem Jonas?

Vi a equipa bem, preparada. Ganhámos no Bonfim, também vencemos no Estoril… No clássico foi uma pena. Pelo que foi o jogo, o resultado certo seria 0-0 e continuávamos em primeiro lugar. Com o golo que sofremos no fim, com a derrota, perdemos confiança, toda a gente ficou triste. De novo em casa, com o Tondela não jogámos bem e perdemos o Campeonato. O clássico condicionou muito, o resultado mais justo seria o 0-0.

Foi complicado estar na bancada nesse jogo?

É difícil, sofre-se muito estando de fora, para mais estando habituado a participar em todos os jogos. No Bonfim, por exemplo, comemorei muito o golo de Raúl.

Benfica-GD Chaves

A forma como o grupo festejou cada golo ao longo da temporada foi uma das grandes armas do Benfica?

Tem sido, sim. O grupo é fantástico. Em toda a minha carreira nunca tive um grupo como tenho aqui. Todos querem jogar e buscam o seu espaço, mas há muito respeito e muitas amizades. Nos últimos anos temos vencido muitas coisas e fortalecido esse respeito e compromisso também com o Clube.

A equipa passou do 4x4x2 para o 4x3x3 no decurso desta época. Como analisa o seu encaixe no sistema?

Fiquei feliz, porque, na posição onde joguei nas três temporadas anteriores, para mim já estava um pouco difícil. Fisicamente, desgastava-me muito. Rui Vitória, com a sua capacidade, viu isso, colocou-me mais próximo do golo e juntou um jogador ao meio-campo, fortalecendo o sector. Era uma incógnita até para mim mesmo, porque durante toda a minha carreira joguei como segundo avançado, como terceiro homem do meio-campo. Analisando agora, fico feliz com a mudança porque me adaptei muito depressa à posição.

O que é que mudou no seu jogo?

Estou mais próximo do golo. Em termos defensivos também ajudo, mas não tenho de baixar tanto, o que me facilita, pois estou ali no último terço do campo quase só para finalizar.

O Benfica conseguiu pelo nono ano seguido ter a hipótese de marcar presença na Liga dos Campeões. Foi um mal menor, ou passou a ser um objetivo depois de o Benfica perceber que não conseguia chegar ao Penta?

Passou a principal objetivo. Sabíamos que não dependíamos apenas de nós, mas era possível, porque tínhamos a oportunidade de ganhar em casa e o nosso rival ia jogar num campo difícil, em casa do Marítimo. Deu certo: ganhámos, o Sporting perdeu e agora estamos na pré-Champions.

Jonas e Rui Vitória

O Benfica terminou a Liga NOS em segundo lugar, com 81 pontos, menos sete do que o FC Porto. A pontuação final reflete a diferença entre as duas equipas?

Não, não, não. Sentimos muito a derrota no clássico e o jogo com o Tondela foi uma prova disso, pois não jogámos com a qualidade a que estamos acostumados. Ultrapassaram-nos no clássico, mas os sete pontos não refletem a diferença. Vejo os três candidatos muito parecidos.

O Benfica tornou-se mais regular quando passou a atuar em 4x3x3. Foi um momento de viragem na época. Mérito do treinador?

Sim, porque a equipa depois começou a jogar bem, mais organizada, a defender melhor. Tínhamos variações táticas, atacávamos bem e não sofríamos tanto defensivamente.

Que avaliação faz à introdução do videoárbitro (VAR) no futebol português?

Eu aprovo. O VAR tem resolvido muitos lances, ajudado os árbitros. Vai ser mais justo, com mais pessoas para decidir lances duvidosos. Vai ajudar o futebol.

Houve muitos ataques ao Benfica, foi uma época muito polémica. Afetou a equipa?

Não, de maneira nenhuma. Todos sabemos que há uma razão para que aconteça tudo isso. É feio desvalorizar as conquistas do Benfica, que é um grande clube.

Jonas

Que análise faz à qualidade do futebol português?

Tem melhorado em termos técnicos e táticos. Há grandes treinadores em Portugal, o tipo de jogo é interessante, intenso, de qualidade. Estou muito feliz por participar na Liga portuguesa. Nos últimos anos a dificuldade é maior para conquistar Campeonatos. As equipas menores têm dificultado muito. Portugal é Campeão da Europa; não chega ao Mundial como favorito, mas pode surpreender, porque tem excelentes jogadores. Estou muito feliz por jogar numa Liga que tem crescido em vários aspetos.

Defrontar defesas da Liga portuguesa é mais difícil do que muitas vezes se pensa?

O diferencial para as outras grandes ligas europeias é o fator financeiro, mas no campo é diferente. E os outros países já sabem que em Portugal há grandes equipas. Isso tem sido patente nas competições europeias. Nas duas épocas anteriores o Benfica chegou aos quartos e aos oitavos de final e antes disso foi a duas finais europeias.

O que é que pode melhorar? Rui Vitória falou sobre o tempo útil de jogo…

Concordo. Seria bom haver menor paragens. E há faltas que não são assinaladas noutros países, mas em Portugal são marcadas com facilidade. O VAR já foi um belíssimo trabalho, sou muito a favor disso. É importante ressaltar que a qualidade dos relvados e dos balneários também melhorou.

As equipas estão a jogar de forma a discutir mais o jogo?

Nos campos dos três grandes jogam mais fechadas, mas quando jogam nas suas casas é complicado, já disputam mais o jogo.

Jonas

O Benfica tem tido a hegemonia do futebol português nos últimos anos, mas nesta época não conseguiu os objetivos a que se propôs. Fim de ciclo ou intervalo?

Quero acreditar que seja um intervalo. Pelo que vejo todos os dias, este clube cresce cada vez mais e isso também dá resultados. O FC Porto interrompeu a nossa série, mas vejo que viremos fortes na próxima época para ter uma outra série.

Recebeu das mãos de Nené, um dos goleadores da história do Clube, um prémio do Sport Lisboa e Benfica por ter sido o melhor marcador do Campeonato. É mais um troféu que leva para o seu museu no Brasil?

Com certeza. Tenho levado muitos, graças a Deus, ao meu trabalho, a todos os que me têm ajudado aqui.

Já admitiu que não vai estar nas escolhas finais do selecionador do Brasil para o Mundial. Não acha injusto, num ano em que marca 37 golos, na sua melhor época na Europa?

Estar no Mundial depende muito do trabalho feito na seleção, mas eu esperaria ser convocado, ser testado pelo menos, pela época que fiz no Benfica e pelas temporadas anteriores, pela regularidade que tenho mantido. Tinha a expectativa de ser convocado e depois dependia do meu rendimento na seleção, que me poderia dar, ou não, a possibilidade de disputar o Campeonato do Mundo. Era um objetivo, mas acabei por não ter a oportunidade que gostaria. O Brasil é uma das seleções favoritas ao título mundial. Vem jogando um futebol que todos querem ver. A torcida vai ser imensa. Toda a gente está na expectativa de vencermos o Mundial.

Jonas

Imagina-se a torcer pela Argentina se Salvio for convocado por Sampaoli?

Acho que ele vai ao Mundial. Ele trabalha muito para conquistar os seus objetivos. Fico feliz pelo Salvio, mas eu torcer pela Argentina vai ser difícil [risos]…

Está com 34 anos. O que é que lhe alimenta o desejo de atingir novos objetivos?

Acordo todos os dias com vontade de fazer o meu melhor, de alcançar os meus objetivos e trabalho muito no Clube e em casa. Sou muito focado, por isso os resultados aparecem. Quero continuar nessa linha. Enquanto tiver saúde e vontade de vencer, vou continuar a jogar, fazendo o que mais gosto, e aqui no Benfica. Não sei até quando vou jogar. Tenho mais um ano de contrato, é só isso que eu sei. E quero jogar aqui, terminar no Benfica. Esse é o meu pensamento.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.