O 6-3 em Alvalade foi há precisamente 24 anos

Um dos dérbis mais eletrizantes e sublimes do futebol português foi disputado há 24 anos debaixo de chuva e terminou com um resultado diluviano. Em 14 de maio de 1994, o Benfica venceu em casa do Sporting por 3-6. Autor de um épico hat-trick, João Vieira Pinto foi o homem do jogo.

Com a liderança segura por apenas um ponto, a equipa benfiquista apresentou-se no velho Estádio José Alvalade com o objetivo de defender a sua posição, sem reprimir a ambição de arrecadar os pontos em discussão e sair ainda mais líder do reduto do histórico rival, que o perseguia na tabela.

A noite até começou cinzenta para as águias, que na altura eram guiadas tecnicamente por Toni. Aos 8’, Cadete, no aproveitamento de um canto executado à direita do ataque sportinguista, cabeceou para as redes de Neno. Respondeu o Benfica por intermédio de João Vieira Pinto: aos 30’, depois de se desembaraçar de dois defensores, o camisola 8 disparou a 20/25 metros da baliza e assinou um golaço (1-1).

João Vieira Pinto

Volvidos cinco minutos, o Sporting fez o 2-1, com Figo, de cabeça, a ser certeiro na sequência de um livre lateral. O dérbi era de parada e resposta: aos 37’, a classe e o génio de JVP fundiram-se no mesmo lance, com o craque benfiquista a rasgar a defensiva leonina e, descaído para a direita, a chutar cruzado, batendo de novo Lemajic (2-2).

Antes do intervalo (44’), o terceiro golo do Benfica e de JVP: Ailton cobrou um livre na direita e, com um passe curto, serviu a desmarcação de Vítor Paneira na direita; o camisola 7 levantou a cabeça, viu Isaías no segundo poste e colocou lá a bola; o Profeta elevou-se, ganhou o duelo aéreo e assistiu o cabeceamento de JVP. Mais um fantástico momento num espetáculo de luxo (2-3).

Isaías

O segundo tempo abriu praticamente com o 2-4. Vítor Paneira, decidido, progrediu e esburacou pela direita e, já na grande área, cruzou para o espaço central, onde JVP fez uma simulação de corpo e permitiu que a bola viajasse até ao pé direito de Isaías, que rematou e decretou nova celebração entre os benfiquistas (48’).

Perfurante, JVP arrasou pela asa direita, em técnica e velocidade, servindo depois mais um disparo de Isaías, este de pé esquerdo, mas igualmente letal. Jogados 57 minutos do dérbi, o Benfica vencia por 2-5.

Isaías

Aos 74’, Hélder Cristóvão começou e acabou a jogada do 2-6: em apoio ao ataque, o central combinou com Vítor Paneira e recebeu o passe de morte do extremo, atirando mais uma bola para dentro da baliza do Sporting.

O anfitrião ainda reduziria a diferença (Balakov, na cobrança de um pontapé de penálti, fez o 3-6), nada, porém, que diminuísse a relevância da vitória do Benfica na 30.ª ronda do Campeonato nem encolhesse o júbilo dos seus adeptos.

Com este resultado, as águias embalaram de forma irreversível para o seu 30.º título nacional (deixando para trás o concorrente Sporting) a quatro jornadas do termo da prova.

O Benfica utilizou os seguintes jogadores nesta vitória: Neno; Veloso, Mozer, Hélder e Kenedy; Abel Xavier, Vítor Paneira, Isaías (Rui Costa, 71’) e Schwarz; Ailton e João Vieira Pinto (Rui Águas, 78′).

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s