Benfica vence dérbi em Alcochete entre equipas B

Tarde de segunda-feira marcada pelo dérbi entre equipas B. As águias estiveram a perder, no entanto, o talento e a qualidade acabaram por vir ao de cima, trazendo justiça ao marcador. Contas feitas, vitória, justa, mas escassa, por 1-2.

Entrada fortíssima da equipa comandada por Hélder Cristóvão no dérbi da 35.ª jornada da II Liga. Em Alcochete, os primeiros minutos foram marcados pelas oportunidades de golo das águias, mas com a redondinha a teimar em não entrar.

Sem que nada o fizesse prever, só que quem não marca acaba por sofrer, foram os verdes e brancos que acabaram mesmo por conseguir adiantar-se.

Minuto 23 e golo do Sporting BKalaica perde a bola em zona proibida, Pedro Delgado recupera, Zlobin ainda interfere, mas a o esférico chega a Pedro Marques que remata para o fundo das redes: 1-0 em Alcochete.

O Benfica B não acusou o golo e manteve a toada… com o empate a surgir de forma natural. Heriberto, na cara do golo, permite a defesa de Pedro Silva e dá canto. Na conversão, é Kalaica quem sobe mais alto e cabeceia para o empate! 1-1, resultado com que se atingiu o intervalo.

Dérbi

No reatar, o Benfica tornou a entrar mais forte, encostando o Sporting, e partindo para uma grande exibição. As oportunidades iam-se sucedendo e, finalmente, aos 64’, fez-se justiça no marcador. Gedson lança Heriberto que, com uma espetacular receção orientada, remata sem hipóteses para a reviravolta: 1-2 para o Benfica, um golaço!

Os leões bem que tentaram reagir, contudo, este Benfica foi mais forte, mostrou mais qualidade, quer individual, quer coletiva e, diga-se, esteve sempre mais perto de dilatar o marcador do que sofrer o empate.

Contas feitas, triunfo justo, com o Benfica B a somar 45 pontos (13V/6E/16D), ocupando o 11.º lugar da classificação geral. Já o Sporting B desce à 18.ª posição e encontra-se em zona de despromoção.

No final do desafio, Hélder Cristóvão analisou o jogo.

Queríamos ter matado a entrada forte e acho que conseguimos. Tivemos uma excelente oportunidade pelo Carter. Depois, a equipa manteve uma toada boa, não conseguiu ser tão lúcida após o golo do Sporting B, num erro nosso fruto do facto de pedir para a equipa sair a jogar. A equipa reagiu bem, mas o Sporting B conseguiu ter algum ascendente e foi mais assertivo na gestão da bola. Na segunda parte corrigimos. Era importante ter a equipa junta, com ligações mais próximas. Acho que a mudança para o 4-4-2 surtiu efeito, tivemos o meio-campo mais junto, libertando o Heriberto e o Carter na profundidade. Fomos inteligentes na forma como aproveitámos esse espaço e chegámos ao segundo golo”, considerou.

O Benfica B chegou ao segundo golo através do aproveitamento do espaço em profundidade, situação que denota conhecimento sobre o adversário e trabalho de casa.

“Sabemos bem como o Sporting B joga, com a defesa ligeiramente alta, fruto da sua juventude. Sabíamos que era importante não permitir transições e os jogadores foram exemplares. A entrada do Diogo Mendes também foi nesse sentido. A partir daí anulámos o jogo, o Sporting B não tem nenhuma aproximação à nossa baliza e nós tivemos mais duas ou três oportunidades que nos poderia ter dado um resultado diferente”, lembrou.

Hélder Cristóvão terminou sublinhando que a vitória “significa três pontos numa luta difícil”. “É sempre um enorme prazer jogar contra o Sporting, mas não mais do que isso. Essencialmente feliz pelos jogadores, porque precisávamos de uma vitória”, acrescentou.

Heriberto

Heriberto apontou o tento da vitória das águias em Alcochete e na zona de entrevistas rápidas destacou uma primeira metade viva e um Benfica B pressionante na etapa complementar.

Começámos bem, estivemos bem nos primeiros 10 minutos. Tivemos, logo no início, uma oportunidade de golo, mas não concretizámos. O Sporting B marcou na oportunidade que teve. Foi uma boa primeira parte, conseguimos reagir e empatar o jogo. Na segunda parte, a equipa entrou bem, fomos para cima do Sporting B e alcançámos o golo que nos deu vantagem até ao final do jogo”, frisou.

O camisola 91 enalteceu, ainda, a postura positiva das duas equipas no relvado, tentando jogar um futebol ofensivo.

“As duas equipas quiseram ter bola, quiseram controlar o jogo para poder ganhar. Soubemos aproveitar o espaço que estavam a dar nas costas com a defesa subida. Tivemos a felicidade de marcar e ganhar o jogo”, apontou.

O golo do empate foi da autoria de Kalaica através de um pontapé de canto, aspeto trabalhado pelos encarnados no Caixa Futebol Campus.

Temos estado bem, temos trabalhado bem as bolas paradas ao longo da temporada porque temos jogadores altos e fortes. Na Segunda Liga, os jogos são resolvidos assim, através de lances de bola parada e tivemos a felicidade de podermos empatar o jogo”, admitiu.

A equipa B do SL Benfica torna a entrar em quadra já no próximo domingo, dia 29 de abril, com um regresso ao Caixa Futebol Campus. À passagem da 36.ª jornada da II Liga, os encarnados têm encontro marcado com a congénere Vitória de Guimarães, 10.ª classificada da geral (46 pontos).

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.