Benfica desafia Ministério Público e Polícia Judiciária a investigar sériamente e rapidamente caso dos emails

joao-correia“É absolutamente essencial que o Ministério Público e a Polícia Judiciária venham aqui a esta casa e verifiquem se aquilo que é divulgado pelo Porto Canal corresponde ou não à realidade.”

A exigência, com total abertura por parte do Clube”, foi feita esta segunda-feira pelo porta-voz da equipa de advogados do Benfica, João Correia, que, na BTV, referindo-se ao caso dos e-mails, desafiou o Ministério Público (MP) e a Polícia Judiciária (PJ) a executarem uma “investigação rápida, séria, profunda e rigorosa de toda a matéria que é divulgada sistematicamente às terças-feiras no Porto Canal e que configura a prática de três crimes diferentes: devassa de meios informáticos, violação de correspondência e ofensas e injúrias à honra, imagem e prestígio da pessoa coletiva Sport Lisboa e Benfica, Futebol SAD”.

“Até agora, apesar de apresentação de três queixas-crime, apesar de insistências permanentes junto das entidades judiciárias mais elevadas no nosso país, apesar da insistência junto delas para que promovam investigações e apurem rapidamente tudo o que se passa relativamente ao Benfica, apesar disso tudo… nada, zero. Ou seja, o Benfica não é devedor de nada; no plano jurídico não nos sentimos devedores de nada. Somos credores da investigação”, acentuou João Correia.

À pergunta “por que nada acontece”, o porta-voz da equipa de advogados confessa “perplexidade” relativamente àquilo que entende ser “lentidão excessiva nas investigações”, visto que a invasão do sistema informático do Benfica é de abril. “Apesar de advertirmos o Ministério Público de que na próxima terça-feira será praticado novo crime e que esse crime será praticado à vista de toda a gente, o Ministério Público mantém-se inerte, inativo, o que de facto é paradoxal”, disse João Correia.

“Fizemos o nosso dever, participámos a todas as entidades. Insistimos, reiterámos essas insistências e até agora zero, nada, absolutamente nada. Parece que estamos com medo… Mas não só não estamos com medo como parece que quem não age está com medo de agir contra quem pratica estes atos.”

“Vamos lá chamá-los, suspender o programa, porque cada programa daqueles corresponde à prática de crimes”, acentuou o responsável jurídico.

“O que precisamos de apurar rapidamente por via da Polícia Judiciária ou do Ministério Público é se aqueles e-mails coincidem ou não com aquilo que existe ou pré-existe nas instalações do Benfica, isto é, nos seus computadores, no seu sistema informático. Isto é que é uma tarefa própria da investigação criminal”, explicou o advogado.

“Aquilo que interessa verdadeiramente ao mundo e para a indústria do futebol é saber se aqueles e-mails têm correspondência com a prática de crimes, se esses crimes existem ou não e se determinaram uma alteração de resultados”, insistiu.

“A pretexto dos e-mails, o Benfica é ofendido, enxovalhado, denegrido; é-lhe imputado um conjunto de factos perversos, até mesmo crimes de adulteração de resultados desportivos, influências, coação, utilização indevida do seu poder em termos de sedução de alguns agentes desportivos. Se os e-mails são verdadeiros ou falsos não sei, nem quero saber. Quero saber é se aquilo que é dito a pretexto dos e-mails é verdadeiro ou falso”, fundamentou João Correia.

A proatividade do Benfica neste processo “é total”. “Aliás, até é excessiva. Já incomodámos a senhora Procuradora-Geral, o Procurador-Geral Distrital, o diretor do DIAP, o Conselho Superior do Ministério Público, todos os membros do Conselho Superior do Ministério Público… Apesar disso, e até agora, nada, zero”, lamentou.

ASPETOS TÉCNICOS DA PROVIDÊNCIA CAUTELAR ABSOLUTAMENTE ERRADOS”

A respeito da providência cautelar avançada pelo Benfica contra o FC Porto no caso dos e-mails e rejeitada pelo Tribunal da Comarca do Porto, João Correia foi arrasador: “Apesar da simpatia clubística afirmada pelo senhor juiz, que me é absolutamente irrelevante, se quer que lhe diga, era bom que tomasse outras cautelas, porque não consumou a sua distância relativamente às decisões tomadas.”

“Aquela tese de que não há hipótese de haver concorrência desleal no mundo do desporto é uma tese de quem não pratica futebol nem pratica desporto.

A questão está centrada na competição, isto é, quais são os elementos perversos desta guerra surda movida contra o Benfica na sã competição, nos resultados, na influência fortemente negativa sobre a arbitragem, comportamentos de órgãos disciplinares, outros elementos da competição não nas quatro linhas”, justificou João Correia.

A rejeição da providência cautelar será sujeita a recurso. “Serão rebatidos ponto por ponto os fundamentos do senhor juiz, o que é normal e salutar, é assim que funcionam os tribunais. Pelos aspetos técnicos, a decisão do senhor juiz está absolutamente errada. Devia ter maior cautela na fundamentação que utilizou”, avaliou o advogado.

A respeito da inação das entidades reguladoras, João Correia foi cáustico. “Também participámos à Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC). Apesar de sujeita a prazos perentórios para agir, não agiu. Parece haver aqui um pacto de silêncio entre entidades reguladoras e entidades judiciais para não agir. Convinha que as entidades oficiais agissem rapidamente e houvesse pressão de quem de direito, das mais altas instâncias do Estado para que rapidamente se resolva esta questão”, afirmou o causídico.

“O Benfica não pode ver que os árbitros estão condicionados, porque se dão uma falta a favor do Benfica é porque isso é resultado de corrupção e se dão uma falta contra o Benfica é porque é justo e legítimo, porque o Benfica tem de ser punido. Isto não pode continuar. Arbitragem, Federação e Liga também fazem parte das entidades reguladoras”, lembrou João Correia.

“Sentimos que há aqui dois mundos: um mundo de silêncio, que é o das entidades responsáveis, e um mundo de fortíssima atuação contra o Benfica também em algumas faixas da Comunicação Social. Basta que haja um pulmão do Porto Canal para emitir uma determinada ideia ou suspeição para que surjam quatro ou cinco a disseminar aquilo que ali é dito”, sinalizou.

 

Leave a Reply