Rui Vitória falou do Rio Ave, Eliseu e Carrillo na antevisão à 4ª Jornada

Dois dos quatro líderes da Liga NOS, Rio Ave e Benfica, defrontam-se este sábado, em jogo da quarta jornada. Rui Vitória espera um jogo “tradicionalmente difícil”.

“A equipa do Rio Ave é composta por bons jogadores e começou bem o Campeonato. Acho que vai ser um duelo e as equipas, por diferentes que sejam, há sempre a ambição de cada uma delas de ganhar. Prevejo um jogo bem disputado, muito competitivo e com qualidade. É tradicionalmente difícil jogar em Vila do Conde”, começou por dizer o técnico, em conferência de imprensa realizada, esta sexta-feira, no Estádio da Luz.

Rui Vitória garantiu que o boletim clínico “não preocupa” e “não vai preocupar”. “O Zivkovic já está apto e vai na convocatória. Já o Salvio não estará presente. O resto vejam no boletim clínico”, revelou.

Apesar da fase ainda precoce do Campeonato Nacional, o treinador alerta para as dificuldades que cada equipa poderá criar.

“Há equipas que vão melhorar o seu rendimento, há outras que entram bem e depois baixam. Estamos a analisar adversários e os jogos não são sempre iguais. Às vezes é diferente jogar contra os três grandes, e não são três pontos mais ou menos valiosos. Contra o Rio Ave, estão três pontos em disputa e vamos fazer tudo para os ganhar. E pensamos assim em todos os jogos, na primeira ou na última jornada. Tal como na Liga dos Campeões. Esta é a nossa postura”, afirmou.

“Para mim, mais do que qualquer jogador, é o conceito de equipa que tem de estar presente. A perda de jogadores é normais mas temos de conseguir dar resposta a isso. Não estou muito preocupado com a questão das armas. Sabemos que o mercado está aberto até ao dia 31 de agosto e quem tem dinheiro decide quem quer comprar. Até lá, as equipas estão sujeitas a uma série de aspetos relacionados com o mercados. Estamos atentos e vamos fazer uma equipa competitiva como temos mostrado. As equipas formam-se fazendo combinações e formando jogadores”, concluiu.

À margem da conferência de antevisão à partida frente ao Rio Ave, Rui Vitória abordou o lance de Eliseu na última jornada, diante do Belenenses, com Diogo Viana.

«Que diferença teve este lance em relação a outros que já aconteceram no futebol português? Isto às vezes lembra-me o síndrome da árvore. Há um que cava, um que semeia e um outro que tem de regar. E de vez em quando o individuo que vai semear esquece-se de o fazer e estamos a cavar e a regar, a cavar e a regar…

– Cada um preocupa-se com o seu sítio e ninguém vê isto de forma mais global nem o que está em causa. Mas atenção, estou a falar de forma genérica e não a dizer se o lance do Eliseu foi bem ou mal assinalado», atirou o treinador do tetracampeão nacional.

Rui Vitória abordou ainda o empréstimo do peruano André Carrillo ao Watford, garantindo que a saída do jogador não significa que tenha «falhado» ao serviço das águias.

«Não podemos ver as coisas do ponto de vista de o Carrillo ter falhado. Às vezes há soluções que não são para o imediato e sim para o futuro e agora ele terá a possibilidade de estar num contexto em que pode render mais. É um jogador que tem imensa qualidade e não era benéfico ficar mais um ano a jogar com pouca regularidade. Apenas avaliámos as coisas e vimos qual era o melhor enquadramento para o potenciar.»

O apito inicial está marcado para as 20h30, em Vila do Conde.

Leave a Reply